sexta-feira, 16 de abril de 2021

Andrezza Formiga lança novo EP

abril 16, 2021

 Arte: Maria Melo

Acaba de “sair do forno” BEBO NA FONTE, novo EP de Andrezza Formiga. Produzido entre os meses de janeiro e abril, Bebo na Fonte trás canções inéditas e arranjos arrojados. A produção e direção musical é da própria Andrezza Formiga e de Roberto Cruz, e conta com a participação dos músicos Adriano Bezerra (Contrabaixo), Mano Souza (Bateria), Binho Lero Lero (percussões), Ruann Phylipe (Guitarra) e Rinaldo Oliveira (Acordeon),  Sem contar na linda Capa assinada pela artista Mari Melo do Rio de Janeiro.

A exemplo do seu último álbum (o premiado “E Tome Forró, Meu Bem!”), Bebo na Fonte  tem o toque do forró tradicional e a ele se juntam temas e elementos de linguagens diversas e atuais, mostrando toda a grandiosidade e versatilidade do gênero.  

Disponível em todas as plataformas digitais, a partir do dia 17, Bebo na Fonte conta com patrocínio da Lei Aldir Blanc, através de projeto aprovado pelo Governo do Estado de PE e Governo Federal.

Festival do Balacobaco começa neste sábado em formato virtual

abril 16, 2021

A Tropa do Balacobaco realiza neste fim de emana o " Festival do Balacobaco" . O evento formado por artistas da cidade de Arcoverde vai aproximar artistas do do público através das redes sociais. São mais de 10 projetos que integram a programação do evento nos dias 17 e 18 de abril. Todas as ações foram contempladas pela Lei de incentivo Aldir Blanc, por meio de editais Municipais e Estadual.

Desde 2007, ano de fundação do grupo, integrantes articulam ações artísticas significativas na cidade e região movimentando a cena teatral do estado, seja por meio de projetos contemplados em editais ou de iniciativas custeadas pelos mesmos.

O Festival do Balacobaco apresenta uma programação diversa com as linguagens de Teatro, Música, Culinária, Literatura, Artes Visuais, Contação de Histórias, Audiovisual e Artes Plásticas, durante todo o dia, iniciando às 10h com Roda de Conversas, além de uma novidade que são as programações individualizadas à tarde, com espetáculo de Lambe-lambe e Escutatória e logo mais a noite uma variedade de atrações de integrantes e parceiros de jornada do Grupo. 

Todo o Festival é de Produção da Tropa do Balacobaco, com apoio da Estação da Cultura e o Terceiro Olho (Junitti).

Confira a programação: 

DIA 17

10h – RODA DE CONVERSA

Leitura como Acesso: Direito a informação  I    Roda de Conversa

Convidades: Arthur Almeida e Thays Meirely

 Mediação de Adalberto Trajano

16h - Proseando - Arte e formação em tempos de pandemia 

Convidadas: Juliana Aguiar, Dayres Carvalho e Alba Chalegre.

Mediação de Jéssica Mendes

A partir das 19h 

Os ditos Loucos da Cidade – Exposição/ Intervenção Urbana de Thiago José 

Brincadeiras de Marias I Contação de Histórias com Danielly Lima, Roosevelt Neto e Renata Cordeiro.

Sabor da Cena - Uma História por um sabor   I   Escutatória e intervenção gastronômica  com Lindryelle Vanessa

-Estará escutando histórias nos dias 17 e 18, das 16h as 17h!

Para agendar seu horário é só fazer sua inscrição pelo formulário do Google.

Bonitinha, mas virada num mói de coentro I Filme de Hiago Cordeiro (Resultado do workshop de iniciação em audiovisual)

Entre Poemas e Elas I Performance poética com Maria Lúcia

Mulheres da roda do Samba de Coco Arcoverdense   I  Um filme de Amanda Lopes

O Canto do Enforcado   I  Processo criativo com Éder Lopes, Thiago José e Iago Britto

DIA 18

10h – RODA DE CONVERSA

Leitura como Incentivo: Possibilidades por meio da informação  

Convidades: Mayara Atanásio, Girlaine Pergentino e Renata Ramos

Mediação de Adalberto Trajano

A partir das 19h

Exposição Tamancos I De Amannda Oliveira                                  

Histórias do Balacobaco I Contação de Histórias com Roosevelt Neto

OMAR – Uma História do Mar I Espetáculo de Lambe-Lambe de Yan Vinícius      

Memórias de um Brinquedo   I   Filme de Paulo Almeida

Passarinhar I  Espetáculo de Lambe-Lambe de Jéssica Mendes

Lamento de força Travesti   I   Vídeo Clipe de Renna Costa com participação de Gabi Benedita

O Som dos Antigos I Apresentação musical de Renata Cordeiro

Informações: Tropa do Balacobaco

quinta-feira, 15 de abril de 2021

Supremo Tribunal Federal anula condenações de Lula por 8 votos a 3 , e ele poderá disputar as eleições.

abril 15, 2021

Foto: Ricardo Stuckert

O Supremo Tribunal Federal decidiu nesta quinta-feira (15) rejeitar o recurso da Procuradoria-Geral da República (PGR) que buscava reverter a anulação das condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva impostas pela Justiça Federal do Paraná, na Operação Lava Jato.

Oito ministros (Fachin, Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia e Luís Roberto Barroso) votaram pela rejeição do recurso e três pela aceitação (Nunes Marques, Marco Aurélio Mello e Luiz Fux).

Rejeitado o recurso, as anulações das condenações serão mantidas, e Lula permanecerá elegível.

Para a defesa do ex-presidente, o resultado do julgamento "restabelece a segurança jurídica e a credibilidade do sistema de Justiça".
O julgamento terá continuidade no próximo dia 22 com a apreciação da suspeição do ex-juiz Sergio Moro, cuja atuação ao condenar o ex-presidente foi considerada parcial pela Segunda Turma do STF.

Edson Fachin é o relator dos recursos apresentados pela PGR e pela defesa de Lula sobre a decisão individual dele próprio que anulou as condenações. A PGR recorreu a fim de reverter a decisão. A defesa de Lula quer evitar que a decisão de Fachin leve à extinção de outros processos relacionados ao caso, entre os quais o que resultou na declaração de parcialidade do ex-juiz Sergio Moro ao julgar processo de Lula.

O julgamento teve início nesta quarta (14), quando, primeiramente, os ministros decidiram, por 9 votos a 2, que o plenário pode decidir sobre o caso — e não somente a Segunda Turma, formada por cinco ministros, que já deliberou a favor da anulação das condenações e da declaração da parcialidade de Moro.

Informações: G1

Fortes chuvas são registradas em Garanhuns

abril 15, 2021

Em função das chuvas registradas em Garanhuns, a Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Compdec), segue vistoriando os pontos mais vulneráveis e afetados da cidade. Da quarta-feira (14) até hoje (15), foram registradas fortes chuvas com média de 54mm. A previsão da Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac) é de pancadas de chuva de forma isolada no período da noite com intensidade moderada a forte.

Nesta manhã, equipes da Secretaria de Infraestrutura, Obras e Serviços Públicos iniciaram as avaliações dos danos na área urbana. A recuperação dos locais afetados também teve início com a limpeza de ruas e melhorias na acessibilidade das vias danificadas. O trabalho seguirá até atender todas as áreas que tenham apresentado danos.

De acordo com a Defesa Civil, além de imóveis com alagamento, houve ainda uma casa interditada com risco de desabamento. Devido à previsão da Apac, a coordenadoria orienta que moradores de áreas de encostas ou com residências próximas às erosões tenham o máximo cuidado. Na presença de rachaduras no solo ou no imóvel, a orientação é que os moradores saiam do local e procurem um lugar seguro. A Compdec segue monitorando todas as áreas do município. Em casos de urgência, deve-se acionar o Corpo de Bombeiros pelo contato 193.

ASCOM

Arcotrans promove manutenção de semáforos da cidade

abril 15, 2021

A Prefeitura de Arcoverde, através da Autarquia de Trânsito e Transporte – Arcotrans, deu início na última quarta-feira (14), a manutenção de semáforos que se encontravam com mal funcionamento, em diversas localidades do município.

A ação foi iniciada pelo centro da cidade, na Avenida Antônio Japiassú, em semáforo localizado no cruzamento com a Rua Germano Magalhães, e no cruzamento com a Praça do Livramento. A ação no centro também contemplou semáforo no cruzamento da Avenida Severiano José Freire com a Rua Capitulino Feitosa. Outro equipamento que passou por manutenção está localizado no cruzamento da Rua Maria Ecilda da Cruz Barros, com a Rua Leonardo Cavalcante, no bairro do São Miguel.

“Estamos promovendo estes ajustes em semáforos, assim como verificando equipamentos que estejam com possíveis falhas, para que o trânsito nos diversos bairros prossiga sem ocasionar paradas temporárias de veículos por problemas na sinalização”, ressaltou o diretor-presidente da Arcotrans, João Almeida Parra (João do Skate).

ASCOM

Garanhuns passa a contar com serviço de hemodiálise no Hospital Regional Dom Moura

abril 15, 2021

Foto: Thomas Ravelly

O município de Garanhuns passa a contar agora com o serviço de terapia renal substitutiva (hemodiálise), ofertado pelo Governo do Estado, por meio do Hospital Regional Dom Moura (HRDM). A ativação do serviço, que está voltado para tratamento de pacientes do Agreste Meridional internados na unidade, foi realizada nesta quarta-feira (14), e teve a presença do prefeito Sivaldo Albino.

“Esta é uma conquista que vem sendo projetada há muito tempo, e foi consolidada no dia de hoje. A atuação do Hospital Regional Dom Moura sempre foi pautada pela competência e humanidade. Por aqui passam pacientes de vários municípios, e a Prefeitura sempre será parceira para colaborar e atender a população de Garanhuns”, pontuou o prefeito Sivaldo Albino.


Durante a ocasião, também estiveram presentes a secretária municipal de Saúde, Catarina Tenório; o diretor médico do hospital, Paulo Mendonça; e o diretor do HRDM, Venâncio Leonardo. Além da gerente da V Gerência Regional de Saúde (V Geres), Janaína Ramos; e o vice-presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Pernambuco (Cosems/PE), Marcos Calado. 


“Este é um momento histórico para Garanhuns e demais municípios da V Geres. O sentimento é de esperança, para que possamos juntos fortalecer o SUS na região. Através da inauguração do nosso serviço de diálise, vamos trabalhar diuturnamente em prol daqueles que mais precisam”, afirmou o diretor do hospital, Venâncio Leonardo.


Serão beneficiados pacientes com função renal alterada, que vão contar com um médico nefrologista. O serviço irá funcionar diariamente, em regime de 24 horas. Para incorporar a hemodiálise ao hospital, o investimento será superior a 2,5 milhões de reais por ano. Desta forma, não serão mais necessárias as transferências e encaminhamentos dos pacientes internados que demandam hemodiálise, garantindo maior celeridade no tratamento.


Aquilles Soares

Chuvas causam transtornos e estragos em Arcoverde

abril 15, 2021

                                                              Foto: Pixabay

A população de Arcoverde viveu momentos de muita ansiedade na tarde desta quarta-feira (14). Fortes chuvas alagaram ruas , invadiram casas e comércios e deixaram pessoas desabrigadas. 

Na Avenida Cel. Antonio Japiassú o comércio viveu momentos de tensão com a água invadindo as lojas.

Na Avenida Pedro II, ao lado do supermercado Bonanza a água invadiu apartamentos térreos de prédio ao lado do centro comercial e quase encobriu veículos. As águas ficaram no mesmo nível da pista de asfalto a avenida e parecia uma lagoa.

Há anos que a cidade não recebe reparos na encanação e principalmente, não cria possibilidades permanentes que facilitem o escoamento das águas. As obras que vem sendo realizadas na cidade geralmente são para consertar os danos causados pelas chuvas. É preciso pensar em algo mais definitivo para que no futuro essas histórias não se repitam.

Amannda Oliveira

quarta-feira, 14 de abril de 2021

CPI da Covid é criada pelo Senado

abril 14, 2021

Imagem: Pixabay


O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, apresentou o requerimento de criação da CPI da Covid. Apresentado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o documento estipula que essa comissão parlamentar de inquérito investigará ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia e o colapso da saúde no estado do Amazonas no começo do ano.

Entretanto, o presidente do Senado decidiu apensar ao requerimento de Randolfe outro requerimento de criação de CPI, do senador Eduardo Girão (Podemos-CE), para investigar a aplicação de recursos federais por estados e municípios no combate à pandemia, o que amplia o escopo do colegiado. Agora, as lideranças de partidos e de blocos no Senado terão que indicar os membros que integrarão a CPI da Covid, obedecida a proporcionalidade.

Pacheco registrou que a leitura estava sendo feita em atendimento à medida cautelar expedida pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF). No trecho da decisão de Barroso lido por Rodrigo Pacheco, o ministro determina que o presidente do Senado adote as “providências necessárias à criação e instalação de comissão parlamentar de inquérito”.

O presidente do Senado afirmou, ainda, que juntou os dois requerimentos por tratarem de matéria conexa, e que só seria aproveitada a parte do requerimento de Eduardo Girão referente à fiscalização dos recursos da União repassados aos demais entes federados para as ações de prevenção e combate à pandemia da covid-19. Ou seja, não será objeto da CPI as matérias de competência constitucional atribuídas aos estados, Distrito Federal e municípios, como determina o Regimento Interno do Senado Federal.

— Corroborando essa tese, com base também em parecer da Advocacia-Geral do Senado, esclareço que são investigáveis todos os fatos que possam ser objeto de legislação, de deliberação, de controle ou de fiscalização por parte do Senado Federal, da Câmara dos Deputados e do Congresso Nacional, o que, a contrário senso, implica que estão excluídos do âmbito de investigação das comissões parlamentares de inquérito do Poder Legislativo federal as competências legislativas e administrativas asseguradas aos demais entes Federados — disse Pacheco, antes de determinar que os líderes já podem indicar os membros para a CPI da Covid.

Ficou em suspenso a definição de como se darão os trabalhos da CPI da Covid, se presenciais, semipresenciais ou remotos.

CPI remota

Antes da decisão do presidente do Senado,  o senador Eduardo Gomes (MDB-TO) pediu para que a CPI fosse adiada em virtude do atual cenário da pandemia de covid-19 no país. No decorrer da sessão vários outros senadores acompanharam o mesmo argumento, alegando que seria muito difícil uma CPI remota.

— É impossível falar de CPI nas próximas semanas enquanto não tivermos um mínimo de imunização — disse Eduardo Gomes.

Para o senador Mecias de Jesus (Republicanos-RR), o momento não é oportuno para uma CPI devido à atual força da pandemia.

Já Randolfe Rodrigues e outros senadores, entretanto, defenderam a instalação imediata da CPI.

— Assim como foi possível, antes do agravamento da pandemia, o Plenário do Senado funcionar de forma semipresencial, assim como foi possível, antes do agravamento da pandemia, as comissões permanentes de forma semipresencial escolheram seus membros, é perfeitamente possível uma Comissão Temporária funcionar de forma semipresencial no Plenário do Senado, com todos os protocolos necessários devidos — afirmou Randolfe.

Recursos federais

Girão afirmou que o objetivo de seu requerimento não é investigar estados e municípios, mas apenas a aplicação de recursos federais com possíveis desvios ou irregularidades, como superfaturamentos. O senador Alvaro Dias (Podemos-PR) também apoiou que a investigação abranja também a aplicação de recursos federais por estados e municípios.

Por sua vez, o senador Plínio Valério (PSDB-AM) cobrou a instalação da chamada CPI das ONGs, cujo requerimento de criação foi lido antes do início da pandemia. O presidente do Senado determinou, então, que as lideranças partidárias indiquem os membros para essa comissão.

Decisão monocrática

O senador Carlos Viana (PSD-MG) pediu para que o presidente do Senado não aceitasse a decisão monocrática do STF. Para ele, a liminar de Barroso invade prerrogativas dos senadores.

— Não permita que essa CPI entre pelas portas dos fundos. 

Os senadores Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e Luiz do Carmo (MDB-GO) defenderam prorrogar o início dos trabalhos da CPI por alguns meses, já que o país passa pelo pior momento da pandemia.

— Não temos como fazer uma CPI neste momento da pandemia — afirmou Luiz do Carmo.

Direito da minoria

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) lembrou que a criação de CPIs é um direito da minoria que será um desdobramento natural as investigações chegarem a fatos ligados a estados e municípios. Ele acrescentou que deve caber ao plenário da CPI se os trabalhos serão presenciais, remotos ou semipresenciais.

O perigo de uma CPI presencial durante a pandemia também foi apontado pelo senador Carlos Portinho (PL-RJ). Para ele, todos concordam que a minoria tem direito à CPI e que há muitos fatos que precisam ser investigados, mas o momento não seria oportuno.

Em seguida, Omar Aziz (PSD-AM) disse que Rodrigo Pacheco estava obrigado a ler o requerimento da CPI da Covid em virtude da decisão de Barroso. Entretanto, ele criticou os senadores Jorge Kajuru (Cidadania-GO) e Alessandro Vieira por terem entrado no STF para forçar a instalação da CPI.

— Eu não faria isso nunca. Nós temos que decidir nossas próprias questões. Vossa Excelência tem que instalar a CPI, quem quiser paralisar a CPI que vá ao Supremo. Eu não faço isso — afirmou Omar Aziz.

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES), por sua vez, defendeu o direito de Kajuru e Alessandro Vieira ingressarem na Justiça para defender direito atingido.

— Ordem judicial não se discute, cumpre-se. Quem estiver insatisfeito que apresente uma PEC para mudar as decisões monocráticas.

CPI presencial

Os senadores Marcos Rogério (DEM-RO) e Fernando Collor (Pros-AL) afirmaram que é praticamente impossível uma CPI trabalhar se não for de forma presencial. 

— Não há nenhuma possibilidade de uma CPI funcionar de forma adequada de maneira não-presencial — afirmou Collor, salientando que tem 40 anos de experiência de vida pública. 

A senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) comunicou a apresentação de um projeto de resolução para permitir o funcionamento de CPIs de maneira remota ou semipresencial. 

Também participaram dos debates os senadores Eduardo Braga (MDB-AM), Nelsinho Trad (PSD-MS), Eliziane Gama (Cidadania-MA), Izalci Lucas (PSDB-DF), Humberto Costa (PT-PE), Simone Tebet (MDB-MS), Jean Paul Prates (PT-RN), Elmano Férrer (Podemos-PI) e outros.

Fonte: Agência Senado

Formulário mapeará risco de violência contra mulheres

abril 14, 2021

Imagem: Pixabay

O Senado aprovou nesta terça-feira (13) projeto que torna obrigatória a aplicação do Formulário Nacional de Risco e Proteção à Vida na rede de atendimento à vítima da violência doméstica e familiar, a ser aplicado preferencialmente pela Polícia Civil no momento do registro da ocorrência. O PL 6.298/2019, da deputada Elcione Barbalho (MDB-PA), teve parecer favorável da senadora Leila Barros (PSB-DF) e segue para sanção presidencial.

Elaborada por peritos brasileiros e europeus e aprovado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o formulário unificado tem como objetivo mapear a situação da vítima, do agressor e o histórico de violência doméstica. Desde o ano passado, CNJ e CNMP trabalham para implantar o modelo nos órgãos policiais encarregados de realizar o primeiro atendimento.

O objetivo é identificar os fatores que indiquem o perigo de a mulher vir a sofrer qualquer forma de violência no âmbito das relações domésticas, sempre preservando o sigilo das informações. Além disso, o documento deve subsidiar a atuação dos órgãos de segurança pública, do Ministério Público, do Poder Judiciário e dos órgãos e entidades da rede de proteção a fim de gerir o risco identificado. Formulários usados em países como Portugal, Austrália, Canadá, Reino Unido e Estados Unidos serviram de base para elaboração do documento. 

"A ferramenta atua na esfera da prevenção do agravamento da violência contra a mulher, tornando mais eficaz a atuação da rede de atendimento, e fortalecendo a aplicação adequada do conjunto de medidas preconizadas pela Lei Maria da Penha (Lei 11.340, de 2006) que buscam impedir a escalada da violência contra a mulher, caso, por exemplo, das medidas protetivas de urgência", aponta Leila Barros.

Perguntas

Ao identificar os fatores que indiquem o risco de nova agressão ou de feminicídio, o formulário de avaliação também tem como objetivo conscientizar a mulher do grau de risco no qual se encontra, além de ajudar na elaboração de um plano de segurança e de apoio à vítima.

São 27 perguntas. O documento questiona, por exemplo, se agressor já ameaçou a mulher ou alguém da família, e se a vítima é financeiramente dependente do agressor. Também procura definir o perfil do agressor: se usa drogas, se já descumpriu medida protetiva, entre outras características. Além da parte destinada à vítima, o questionário conta com uma área avaliativa a ser preenchida por profissional capacitado. 

De acordo com o projeto, o formulário deverá ser aplicado, preferencialmente, pela Polícia Civil durante o registro da ocorrência. Caso não seja possível aplicá-lo nesse momento, o preenchimento ficará a cargo da equipe do Ministério Público ou do Poder Judiciário, quando for feito o primeiro atendimento à mulher vítima de violência doméstica e familiar.

“Alertamos, entretanto, que o emprego do formulário requer treinamento e, preferencialmente, a própria adesão dos órgãos de atendimento para que possa, de fato, alcançar seus propósitos. Ampliar sua utilização é, sem dúvida, medida coerente com as lutas contra a violência doméstica e familiar, mas exigirá investimento do poder público na qualificação de sua rede de atendimento para o uso adequado do modelo”, ressalta a senadora.

Pandemia

Dados da Rede de Observatórios de Segurança, que atua no monitoramento da violência nos estados de São Paulo, Bahia, Ceará, Pernambuco e Rio de Janeiro, apontam que, por dia, pelo menos cinco mulheres foram mortas ou vítimas de violência doméstica e familiar durante o ano de 2020. Segundo Leila, o aumento da violência durante a pandemia é mais um motivo para reforçar o uso preventivo do formulário.

— Por isso mesmo a adoção de um formulário que pode atuar na prevenção da escalada da violência contra a mulher é ainda mais necessária — assinalou a relatora. 

A senadora rejeitou todas as emendas para impedir o retorno do projeto à Câmara e garantir uma rápida sanção.

Líder da bancada feminina, a senadora Simone Tebet (MDB-MS), afirmou que o projeto salvará vidas. 

— Está comprovado que a mulher, antes de ser morta pelo crime de feminicídio, ela recebeu violência psicológica, lesão corporal ou ameaça. Ela é atendida na polícia, faz boletim de ocorrência, ela desiste e volta para casa. Com esse formulário, a autoridade vai que essa mulher é vitima constante de violência e vai aconselhá-la. Não tenho dúvidas que esse projeto vai salvar vidas de brasileiras — disse Simone Tebet.

Fonte: Agência Senado

Instagram: @blogamanndaoliveira