Felipe França e João Gomes são os primeiros finalistas da natação brasileira nas Olimpíadas

Na abertura das disputas nas piscinas, recordes mundiais e olímpicos da húngara Katinka Hosszu e do revezamento 4x100m livre feminino da Austrália garantiram algumas das medalhas douradas da noite

 Felipe França comemora classificação à final. Foto: Flávio Florido/Exemplus/COB

O Estádio Olímpico de Esportes Aquáticos recebeu neste sábado (06.08) o primeiro dia de competições da natação nos Jogos Rio 2016. Com casa cheia e apoio incondicional da torcida, Felipe França e João Gomes garantiram classificação às finais dos 100m peito, com 59s35 e 59s40, sexto e sétimo melhores tempos das semifinais, respectivamente.

“Mais uma etapa concluída! Vamos embora para a final fazer o melhor tempo da vida, que eu tenho certeza que vamos brigar entre os três. A maior vontade que eu tinha aqui não era nem de pegar medalha. Ao contrário de Londres, minha maior vontade era ir para uma final, porque era a barreira que eu tinha que ultrapassar. A medalha vem depois que a gente se classifica para a final. Foi uma barreira que ultrapassei e agora é tentar fazer minha melhor prova”, disse França.

João Gomes também estará na disputa por medalhas. Foto: Flavio Florido/Exemplus/COB

Para João Gomes, o apoio do público pode fazer a diferença. “É manter a tranquilidade o máximo possível, que tudo vai dar certo, ainda mais com essa torcida. Eu cometi um erro na chegada agora, nas três últimas aproximações de parede. Acabei errando a contagem e chegando um pouco longe demais. Agora é consertar isso e torcer para sair uma medalhinha. É buscar essa medalha, é bater na frente. Não importa o tempo. É emoção, o coração todo é voltado para essa medalha”, afirmou. A decisão da prova ocorre na noite deste domingo (07.08), por volta das 22h50.

E vai ter pedreira no caminho dos brasileiros rumo à medalha. Ainda nas baterias eliminatórias, o inglês Adam Peaty nadou 57s55 e bateu o recorde mundial e olímpico da prova. Cody Miller, dos Estados Unidos, e o sul-africano Cameron Van der Burgh, segundo e terceiro melhores das semifinais, também prometem chegar com força à decisão.
Na noite deste sábado saíram também as primeiras medalhas da natação dos Jogos Olímpicos do Rio. Nos 400m medley masculino, os japoneses Kosuke Hagino (4m06s05) e Daiya Seto (4m09s71) ficaram com a primeira e terceira posições, respectivamente. O norte-americano Chase Kalisz (4m06s75) ficou com a prata. Ainda entre os homens, na prova dos 400m livre, o vencedor foi o australiano Mack Horton (3m41s55), seguido do chinês Yang Sun (3m41s68) e do italiano Gabriele Detti (3m43s49).
Já nos 400m medley feminino, a húngara Katinka Hosszu fez a tríade: ouro, recorde mundial e olímpico. Com o tempo de 4m26s36 a “Dama de Ferro” baixou em mais de dois segundos a marca da Chinesa Shiwen Ye, que vinha desde Londres 2012. Maya Dirado (4m31s15), dos EUA, e a espanhola Mireia Garcia (4m32s39) levaram a prata e o bronze.
Uma das mais esperadas provas das Olimpíadas, o revezamento 4x100m livre feminino, encerrou a noite em grande estilo. Em um duelo muito acirrado, que levantou a torcida, australianas e norte-americanas disputaram o ouro braçada a braçada. Melhor para a Austrália, medalha de ouro com direito a recorde mundial e olímpico, fechando a prova em 3m32s39. EUA (3m33s59) e Canadá (3m33s84) levaram as demais medalhas.
Brasileiros dão adeus ao pódio
Nas baterias classificatórias, alguns nadadores brasileiros não conseguiram índices para avançar às semifinais. Recordista mundial júnior dos 400m medley, Brandonn Almeida foi o primeiro brasileiro a cair na água nos Jogos Olímpicos do Rio. Com o tempo de 4m17s25 na prova em que é especialista, Brandonn terminou apenas na 15ª colocação geral. “Infelizmente não consegui executar o que eu treinei e não fiz a minha melhor prova. Não consegui encaixar o peito e foi onde eu perdi”, lamentou o paulista.
Nos 400m livre, o atleta do Flamengo Luiz Altamir, com 3m50s82, ficou com a 32ª posição e também não avançou. Entre as mulheres, Joanna Maranhão fez uma boa prova nos 400m medley, mas seu tempo (4m38s88) não foi suficiente para levá-la às semifinais. Para a nadadora, que ficou na 15ª posição, no entanto, valeu a experiência. “Olhando tecnicamente, é o meu melhor tempo em eliminatórias de Olimpíadas. Considerando que estou com 29 anos e não é uma prova fácil, estar de manhã nadando praticamente o meu melhor tempo é muito bom. Eu queria muito ser finalista olímpica de novo, treinei muito para isso, mas eu sabia que seria difícil”, afirmou.
Joanna ainda vai nadar as provas dos 200m medley e 200m borboleta. O revezamento 4x100m livre feminino brasileiro também não conseguiu se classificar para a fase seguinte. A equipe, formada por Larissa Oliveira, Etiene Medeiros, Daynara de Paula e Manuella Lyrio, nadou a prova em 3m39s40 e terminou na 11ª colocação.
Pedro Ramos, brasil2016.gov.br

Nenhum comentário

Amannda Oliveira. Tecnologia do Blogger.