A fotógrafa Juliana Souto, lançou no último dia 10 de março, a exposição fotográfica "Espelho de Brincantes" A exposição que pode ser vista no SITE retrata os trajes dos mestres e mestras dos grupos de reisado transparecendo as expressões da alma e do seu lugar.

 

O reisado foi definido pelo folclorista e historiador Câmara Cascudo (1967) como “uma denominação erudita para os grupos que cantam e dançam na véspera de Reis”. Já o escritor e também folclorista, Mário de Andrade (1982), que viajou pelo nordeste com o propósito de registrar manifestações populares, identificou o reisado como uma “dança dramática”.

Dentre as manifestações da cultura popular em Garanhuns, o reisado aparece como um grande protagonista, tendo a cidade inclusive reivindicado o título de “Capital do Reisado” (SILVA; CAVALCANTE, 2018). Em 2016, o dia 06 de janeiro foi instituído, como o “Dia Municipal do Reisado de Garanhuns” (Lei municipal nº 4.336/16).

Os grupos de reisados mais antigos de Garanhuns remontam o início do século XX e os saberes são transmitidos a cada geração, essencialmente por meio da oralidade. Os mestres e mestras, e também pesquisadores, afirmam que todos os grupos de reisados antigos descendem da influência do mestre Cândido Sertanejo, que teria chegado à região no início do século XX, possivelmente vindo da região de Alagoas. Uma característica importante, que pode estar associada a essas migrações, é que os reisados tinham um caráter itinerante, praticamente inexistente na atualidade.

Uma ressalva importante, é que de início os grupos de reisados eram formados apenas por homens. Essa condição ajuda a entendermos a grande presença de homens e de mestres à frente dos grupos de reisado.

Os reisados se destacam por sua riqueza de elementos visuais e orais, expressando o sincretismo dos folguedos associados às práticas religiosas cristãs, mas também aos costumes indígenas e afro-brasileiros.

Para a exposição, foram retratados três brincantes, herdeiros ancestrais de grupos de reisados reconhecidos por suas comunidades e pelas novas gerações: Dona Zefinha, Seu João Tibúrcio e Seu Gonzaga de Garanhuns. Os dois primeiros são representantes de grupos históricos de reisado em Garanhuns, sendo Dona Zefinha sobrinha do Mestre Cândido Sertanejo.


Informações: Assessoria