segunda-feira, 5 de agosto de 2019

12º Festival de Cinema de Triunfo começa na próxima segunda-feira

Programação vai de 5 a 10 de agosto reunindo mostra de curtas e longas, além de oficinas de formação em audiovisual

Foto: O secretário de Cultura Gilberto Freyre Neto, com a coordenadora de audiovisual da Secult Luciana Poncioni e o presidente da Fundarpe Marcelo Canuto. Crédito: Jan Ribeiro.

Começa nesta segunda-feira, dia 05 de agosto, o 12.º Festival de Cinema de Triunfo. O evento que acontece no Cineteatro Guarany até o dia 10 de agosto, terá mostras competitivas, debates e oficinas.  A Secretaria de Cultura de Pernambuco, por meio da coordenadoria de audiovisual, recebeu a inscrição de 344 filmes entre curtas e longas, dos quais 33 foram selecionados para o festival. As produções concorrem a diversas premiações, sendo o troféu oficial do festival - O Caretas - concedido aos filmes escolhidos pelos júris oficial e popular. O troféu faz referência às tradicionais figuras dos caretas, que percorrem as ruas da cidade durante o carnaval, há mais de 90 anos, com seus chicotes, chocalhos, ricos figurinos e mensagens satíricas trazidas em tabuletas.

O troféu – juntamente com prêmio em dinheiro no valor de R$ 4 mil - será concedido aos vencedores das categorias Melhor Longa Metragem (dois prêmios, um do júri oficial e outro do júri popular). Recebem também troféus as categorias: Direção, Fotografia, Montagem, Roteiro, Produção, Trilha Sonora, Direção de Arte, Som, Ator e Atriz.

Na categoria curta-metragem, também tem Troféu Careta para todas as categorias citadas acima, além de oito prêmios em dinheiro (quatro concedidos pelo júri oficial e quatro pelo júri popular), no valor de R$ 2 mil, para as categorias: Melhor curta-metragem Nacional, Melhor Pernambucano, Melhor Infanto-Juvenil e Melhor dos Sertões.

O Festival também concede outras honrarias. O Troféu Fernando Spencer será concedido para a/o melhor personagem da categoria longa-metragem. O Prêmio Cineclubista é concedido para “O Melhor Filme para Reflexão”. Criado pela Federação Pernambucana de Cineclubes - FEPEC, o prêmio tem o objetivo de referendar filmes que estimulem o debate e que se destaquem nas suas propostas de narrativas em que conteúdos e estéticas sejam levados em consideração. Os filmes vencedores recebem uma carta oficial elaborada pelo júri com a justificativa da premiação e também um convite para exibição do mesmo em cineclubes filiados à FEPEC.

A ABD/APECI (Associação Pernambucana de Cineastas) também concede um troféu no Festival de Cinema de Triunfo ao filme que melhor represente a criatividade da produção cinematográfica.

“O Festival de Cinema de Triunfo vem se somar às demais ações que temos e que impulsionam a política do audiovisual de Pernambuco. Um festival realizado em pleno Sertão, numa cidade super charmosa, diga-se de passagem, e que consegue trazer realizadores de todo Brasil, inserindo o estado no hall dos mais importantes festivais de cinema do país e fortalecendo ainda mais a cadeia do audiovisual pernambucano, que já é uma referência nacional”, destaca o secretário de Cultura Gilberto Freyre Neto.

O presidente da Fundarpe Marcelo Canuto reforça a fala do secretário ao ressaltar o principal mecanismo de fomento ao cinema feito em Pernambuco, o Funcultura do Audiovisual, cuja edição 2019 será lançada em breve, ofertando mais de R$ 24 milhões para produções feitas em Pernambuco. “Temos no Festival de Cinema de Triunfo uma vitrine também para os produtos que saem do Funcultura do Audiovisual, feitos por realizadores que fazem deste evento um trampolim para outros festivais existentes no país, fortalecendo esse circuito que é tão importante para a produção cinematográfica que não tem apoio das grandes distribuidoras”, diz Canuto.

O Cineteatro Guarany, onde ocorre o festival, é um equipamento do Governo de Pernambuco e integra o programa Cine de Rua, parte de uma política de valorização dos cinemas de rua do estado e de diversificação da programação audiovisual. No Guarany há exibições regulares que dialogam com a programação do cinema São Luiz e de outras salas que resistem nos municípios brasileiros. São nesses equipamentos onde é mais possível ver a produção audiovisual que não tem facilidade de entrar na programação dos cinemas multiplex e também onde o público tem acesso a diversos olhares.

“Os festivais de cinema cumprem ainda esse papel de fortalecer a rede de cinemas de rua que é tão importante para a circulação dos filmes de produtores independentes que não encontram telas para exibirem suas produções. Estamos ainda, com esses cinema e com os festivais, construindo um público cada vez mais interessado nas filmografias pernambucana, e brasileira, que não estão nas redes comerciais de cinema. O Festival de Cinema de Triunfo, por exemplo, tem parceria este ano com os festivais Cinema no Interior, Criancine – Festival de Cinema Infanto-Juvenil, Documentando, a Mostra Absurda e o VerOuvindo”, coloca Silvana Meireles, secretária-executiva de Cultura.

HOMENAGEADOS – o Festival de Cinema de Triunfo homenageia esse ano a atriz Lívia Falcão e o cineasta Kléber Mendonça Filho. O jornalista, roteirista, produtor e diretor de cinema Kléber Mendonça vem colecionando prêmios em festivais nacionais e internacionais de cinema, ao longo de sua carreira. Começando com os curtas-metragens Vinil Verde (2004), Eletrodoméstica (2005) e Recife Frio (2009). O documentário Crítico (2008) foi o primeiro longa-metragem de Kleber. Em 2012 lança o aclamado O Som ao Redor, que o insere no hall de cineastas latino-americanos com projeção internacional. Em 2016 lança Aquarius, que recebeu o prêmio de melhor filme do World Cinema Amsterdam, festival de cinema da Holanda. No final de agosto, o diretor estreia seu novo longa, Bacurau, que venceu o Prêmio do Júri no Festival de Cannes.

Lívia Falcão iniciou sua carreira de atriz no teatro aos quinze anos de idade, e aos 17 anos foi premiada como Atriz Revelação, por sua atuação na peça A Cantora Careca, de Ionesco. E de lá para cá não parou mais de atuar, seja no teatro, no cinema e na televisão. Em 1999, Lívia faz sua estreia como diretora teatral com a peça Dom Chicote Mula Manca e em 2008 dirigiu A Árvore de Julia do espanhol Luís Matilla. Participou também das montagens de Divinas e A Dona da História. No cinema fez os longas Lisbela e o Prisioneiro, de Guel Arraes; Onde Anda Você?, de Sérgio Rezende; O Homem que Desafiou o Diabo, de Moacyr Góes; O País do Desejo, de Paulo Caldas; Sangue Azul, de Lírio Ferreira e A Costureira e o Cangaceiro, de Breno Silveira. Também atuando na arte da palhaçaria, Lívia é diretora, no Recife, da Duas Companhias.

FORMAÇÃO - Além das mostras na tela, o festival abre espaço para a formação e a reflexão. O professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Bacharelado em Cinema e Audiovisual da Universidade Federal de Pernambuco, Rodrigo Carrero irá ministrar uma Oficina de Crítica Cinematográfica. As aulas acontecem desde o dia 29 de julho e seguem até o dia 2 de agosto, no Sesc de Triunfo.

O facilitador Marlon Meirelles – realizador e professor em projetos de iniciação em cinema – ministra a oficina Documentando. “A oficina desperta a consciência de que o cinema é um instrumento de construção da realidade, permitindo que os alunos observem as possibilidades de abordagem, narrativas, dispositivos e processos de trabalho. Ao final das aulas os alunos realizam um documentário digital”, descreve o realizador.

“Atuação orgânica – Laboratório de técnicas de atuação para o audiovisual” é a proposta de Márcia Lohss, tecnóloga em artes dramáticas na Escola de Artes Dramáticas, em Hamburgo, na Alemanha. O curso visa desenvolver o conceito de atuação orgânica, buscando, através de atividades práticas com bases nas técnicas de Sanford Meisner e da observação das cenas realizadas em aula, a equalização do corpo e da voz para a linguagem cinematográfica. A oficina também acontece no Sesc, de 6 a 8 de agosto.

PARCEIROS - O Festival conta com apoio institucional da Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos – CPRH, Instituto Federal Sertão-PE-Campus Serra Talhada, Prefeitura de Serra Talhada, Secretaria do Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS), SESC-PE e TV Pernambuco. Tem como entidades parceiras: Associação Brasileira de Documentaristas, Associação Pernambucana de Cineastas (ABD-PE/APECI) e Federação Pernambucana de Cineclubes (FEPEC). São festivais parceiros do Festival de Cinema de Triunfo: Cinema no Interior, Criancine – Festival de Cinema Infanto-Juvenil, Documentando, Mostra Absurda e VerOuvindo.

CEPE – Pegando carona no clima do Festival, a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) cria espaço de convivência na cidade sertaneja. A cada um dos seis dias de programação cinematográfica, sempre entre 18h e 19h, um tema ligado à sétima arte toma conta da tenda aberta ao público em frente ao Cineteatro Guarani. Entre as convidadas e convidados, destaque para a produtora de cinema e cientista política Emilie Lesclaux, que trabalhou em produções premiadas internacionalmente como Aquarius (2016) e O Som ao Redor (2013). Ela estará ao lado da repórter especial da Revista Continente e crítica de cinema Luciana Veras, e da diretora de cinema e jornalista Clara Angélica, discutindo políticas públicas de cinema e formas de resistência, diante do atual cenário nacional.

Informações: Secul-Fundarpe

Nenhum comentário:

Postar um comentário