quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Bolos caseiros feito em Fogão agroecológico é renda para as mulheres

Foto: Divulgação
A agricultora Claudeana Ferreira, de São José do Egito, descobriu que tinha o dom da culinária, mas nunca teve a oportunidade de trabalhar no ramo até a chegada do fogão agrocológico por meio do Projeto Mulheres na Caatinga, executado pela Casa da Mulher do Nordeste e com patrocínio da Petrobras, através do Programa Petrobras Socioambiental. “Foi através do projeto que descobri que toda pessoa tem um dom para trabalhar, que eu sou capaz de trabalhar com comida”, comentou.

Foi após a construção do fogão agroecológico, como uma das 210 mulheres participantes do projeto, que sua vida mudou. Como acontece com algumas famílias sertanejas, por causa do longo período de estiagem, o marido de Claudeana, deixou a comunidade para São Paulo em busca de trabalho, e já está há 5 meses como ajudante de encanador. Mesmo com todas as dificuldades, a agricultora não desistiu, passou a produzir bolos e a vender de porta em porta na sua comunidade.  “O fogão agroeocológico foi fundamental para começar a vender o bolo, já que o gás é muito caro e não podíamos pagar”, disse. Aprendeu sozinha a fazer bolo de milho, chocolate, leite, caramelado e de caco. E já está fazendo alguns salgados a pedido da vizinhança. A sua cozinha aos poucos está sendo equipada, já com a venda dos produtos.

A agricultora que aos poucos vem criando outras formas de sustentabilidade, acredita que no trabalho em rede é mais fortalecido. Ela participa do grupo de mulheres Criando, Produzindo e Preservando, que se reúne para comercialização e também para discutir sobre seus direitos.  “A gente se reúne com outras mulheres para debater sobre a melhoria da comunidade, e isso é muito bom principalmente por que era muito tímida e tinha dificuldades de se comunicar e expressar”, contou. O grupo faz parte da Rede de Mulheres Produtoras do Pajeú, e conta com uma produção bem diversificada, entre os trabalhos estão: produtos de artesanatos, de limpeza, agroecológico e também alimentícios. 

ASCOM

Nenhum comentário:

Postar um comentário