O Ministério da Saúde, aproveitou a véspera do Dia Mundial de Combate à Doença de Chagas para lançar uma campanha nacional de conscientização.

"Hoje discutimos quantos somos e onde estamos. Será que, mais de um século depois, nós deveríamos ainda discutir esse assunto? Deveríamos, em pleno século 21, ter doenças negligenciadas? É um desafio para todos aqueles que estão à frente do sistema de saúde", avaliou o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Durante o evento de lançamento da campanha, o ministro aproveitou para enaltecer o papel de Carlos Chagas na descoberta da doença e a importância do médico, sanitarista e pesquisador para os estudos de enfermidades tropicais. "O esforço de Chagas deve permanecer vivo em todo aquele que se dedica à pesquisa, ao sanitarismo, como exemplo que deve ser seguido."

Entre as ações de combate à doença, o Ministério da Saúde detalhou o foco na vigilância sanitária, para evitar colônias de barbeiros e a sistematização de dados pelo Notifica-SUS ainda neste primeiro semestre. Uma campanha publicitária de conscientização começa a ser veiculada pelos canais de TV, rádio, veículos de imprensa e redes sociais.

A pasta investirá R$ 6 milhões no Projeto Integra Chagas, conduzido pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), com o objetivo de aumentar a oferta de diagnóstico e tratamento na atenção primária de seis municípios mais atingidos. Há, ainda, atenção voltada ao Projeto Cuida Chagas, que busca alcançar mulheres em idade fértil e seus filhos para controle de transmissão materno-infantil. Pelo SUS, o tratamento da doença é gratuito.

A doença de Chagas é endêmica não só no Brasil, mas em outros 20 países das Américas, e acomete mais de 6 milhões de pessoas. O número de brasileiros atingidos pela doença de Chagas está na faixa de 1,9 milhão a 4,6 milhões. 

Uma doença que infelizmente ainda não tem cura. É preciso estar atento e tomar cuidado.

Informações: Ministério da Saúde