terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

História de Santo Antônio é reconstruída em livro de jornalista




Santo Antônio é um dos santos mais amados do Brasil. Da religião ao folclore, ele é parte da cultura e da história brasileira. Nas simpatias populares, dependurar a imagem de cabeça para baixo, fazer novenas ou propagar correntes são algumas das estratégias para conseguir um apoio daquele que é considerado o santo casamenteiro. Outro papel milagreiro atribuído a ele é o de ajudar a encontrar coisas perdidas. Apesar de Santo Antônio povoar o imaginário e a fé dos brasileiros, pouco se sabe sobre sua trajetória. O fato de ele ter vivido há oitocentos anos e a ausência de documentação de época para muitos dos relatos contribuem para que história e lenda se misturem e tornem árdua a tarefa de uma biografia com esta.

Com a missão de buscar evidências para contar a versão mais próxima da verdadeira de quem foi o religioso, Edison Veiga realizou viagens e longas pesquisas. O resultado está em Santo Antônio, livro que chega às lojas pela Editora Planeta. Nascido em Lisboa, Portugal, em uma família pertencente à elite, o santo foi batizado com o nome Fernando, identificou a vocação religiosa, realizou missão no Marrocos, percorreu boa parte da Itália em seus trabalhos missionários, foi enviado à França para converter hereges e escolheu passar o fim da vida em Pádua. Após sua morte, em menos de um ano, ele foi reconhecido oficialmente como santo pela Igreja, após a análise de 53 milagres.

Na obra, o jornalista reconstrói a trajetória do religioso, apresentando como ele se tornou Santo Antônio, detalhes de seus milagres e como surgiu sua fama popular como casamenteiro. O autor também revela curiosidades como as patentes militares - com direito a salários - e os títulos honoríficos recebidos pelo religioso e como foi o processo de reconstituição tridimensional facial a partir dos restos mortais do santo - trabalho este realizado por um brasileiro.


SOBRE O AUTOR

Nascido em 1984 na cidade de Taquarituba (SP), o escritor e jornalista Edison Veiga trabalhou na revista Veja São Paulo e no jornal O Estado de S. Paulo. A partir de 2018, passou a colaborar com veículos como Deutsche Welle, BBC, Radio France Internationale, Vice, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, UOL, entre outros. Além deste, já publicou sete livros. Atualmente mora em Bled, na Eslovênia.


Uma delícia de livro que vale a pena levar pra casa.

Informações: Nathalia Bottino

Nenhum comentário:

Postar um comentário