sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Aldeia Olho D`água dos Bredos em Arcoverde começa homenageando Biu Neguinho e reunindo mais de 300 artistas

Homenagem ao criador da batida do Samba de Coco de Arcoverde reuniu todos os grupos de Samba de Coco e emocionou o mestre

Foto: Amannda Oliveira
 Começou nesta sexta-feira, 13 de setembro, em Arcoverde , a 4.ª edição do Projeto Aldeia Olho D`água dos Bredos , com o tema #Comciênciapopular. O evento organizado pelo Sesc teve início com um cortejo formado por todos os grupos de Samba de Coco de Arcoverde no Alto do Cruzeiro para homenagear  Severino Amaro dos Santos , o Mestre Neguinho, de 89 anos.

Foto: Amannda Oliveira

Reunidos e cantando juntos, o Samba de Coco Trupé de Arcoverde, Raízes de Arcoverde, Irmãs Lopes, Fulô do Barro, Pisada Segura e Quebra Coco Aliança se reuniram ao redor do mestre cantando músicas como Celina, tão tocadas por ele durante sua trajetória no coco.
O mestre muito emocionado, cantava e dançava as músicas e foi as lágrimas por várias vezes. O cortejo seguiu do Alto do Cruzeiro e passou pela Avenida Antônio Japiassú, reunindo no percurso grupos de maracatu da cidade, ursos e bois, bandas de pífanos e brincantes, enquanto a recepção ficou por conta de diversos sanfoneiros da cidade de Arcoverde, todos puxados pelo Boi do Mangangá de Dão Novaes com o Mestre Biu Neguinho no carro.

A chegada ao Sesc foi festiva, com todos sendo recebidos pelo sotaque do fole vindo das sanfonas de aproximadamente vinte sanfoneiros da cidade de Arcoverde. O diretor de Cultura do Sesc Arcoverde, Pedro Gilberto, agradeceu a todos os parceiros que fizeram com que fosse possível realizar mais uma edição do Aldeia, falando da importância para o Sesc de ver mais de 300 artistas da cidade participando efetivamente das ações. A gestora do Sesc Arcoverde, Águida Cardel, falou da emoção e da alegria em realizar mais uma edição do Aldeia e deu o evento oficialmente por aberto.

Muito emocionado, o Gerente de Cultura do Sesc Pernambuco, José Manoel Sobrinho, falou que num mesmo 13 de setembro, há 73 anos, nascia o Sesc no Brasil. E falou da importância da instituição para o país , para o desenvolvimento social e a preservação e incentivo a cultura no país estando das capitais as cidades do interior. E pediu que a sociedade se una na luta pelo Sesc.

As 20h, o público pôde conferir a beleza do Projeto NOITES SEM FIM, do cantor e compositor Geraldo Maia que apresentou a obra de Capiba com diversos clássicos como Recife, cidade lendária; Serenata suburbana; Maria Betânia; Verde mar de navegar; A mesma rosa amarela (parceria com Carlos Pena Filho); Quando se vai um amor e Sem pressa de chegar (parceria com Délcio de Carvalho). O cantor estava acompanhado pelos músicos Alberto Guimarães (violão 7 cordas), Adalberto Cavalcanti (bandolim e direção musical), Bráulio Araújo (baixo acústico), Júlio César (acordeon) e Renato Bandeira (guitarra semi-acústica) e contou com a participação primorosa de “Alexandre Revoredo” e do Coral Novo Horizonte da terceira idade do Sesc. 

Confiram algumas das imagens:


Foto: Amannda Oliveira


 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

 Foto: Amannda Oliveira

Foto: Amannda Oliveira

Foto: Amannda Oliveira

Amannda Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário