terça-feira, 30 de abril de 2019

Leandro Vaz ganha prêmio de melhor de cantor MPB no Prêmio da Música de Pernambuco

Foto: Amannda Oliveira

O poeta malassombrado Leandro Vaz, ganhou na noite desta segunda-feira, 29 de abril, o prêmio de melhor cantor MPB no Prêmio da Música de Pernambuco pelo disco "Madrigal". O disco possui 12 canções autorais e inéditas como "Madrigal" que dá nome ao disco, além de "Contradições", "Eugenia", "O Brejeiro" que conta com a participação de Sevy Nascimento, " Maria Belíssima" com a participação do Maracatu Baque Mulher e " Amanhã" com a participação de Noé Lira. 

Leandro Vaz começou sua carreira no ano 2000. Em 2017, lançou o seu primeiro livro "Eugenia" e lançou em 2018 no segundo semestre o seu primeiro disco que conta com o Maestro Eduardo Espinhara que assina os arranjos.

A execução musical é assinada pelo próprio Leandro  (violão de nylon) e com músicos pernambucanos do interior e da Capital   (Brunno Morais - baixolão, violão de 12 e viola; Rubem França - violão de 8; Maycon Nazário - sopros; Sérgio Coringa - acordeão; Herlane Franciele - violoncelo; Alex Sandro - bateria e Everaldo - percussão).

A arte ficou por conta do designer Guilherme Luigi , que se utilizou de gravuras de Regina Carvalho inspiradas em ensaio fotográfico de Amannda Oliveira, de onde também foi extraída a foto central do encarte.

Foto: Amannda Oliveira

Madrigal vem da ideia sobre uma poética engenhosa e galante e é bem assim que se constrói toda poesia musical tecida primorosamente pelo compositor Leandro Vaz. Um trabalho que conta com letras próprias, além de uma singular poesia, misturando sentimentos diversos, torna-se até difícil escolher uma única loa, principalmente quando se reconhece que a parceria entre a viola ‘malassombrada’ e seu (en)cantador nos transporta para um sertão colorido, florido, cheio de vida, muito amor e gentilezas .

O CD "Madrigal" é uma realização do COCAR - Coletivo Cultural de Arcoverde e foi viabilizado financeiramente pelo Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura - FUNCULTURA.

Amannda Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário