sexta-feira, 27 de julho de 2018

Armandinho e Beto Hortis fazem RITMOS DE BAMBA no 28º FIG com homenagem ao Mestre Dominguinhos



Parceria musical baiana/pernambucana com o gênio da guitarra baiana Armandinho Macêdo com o acordeonista pernambucano Beto Hortis, acompanhados dos músicos Jerimum de Olinda na percussão e o contrabaixista Mongol fazem espetáculo inédito no 28º FIG, neste sábado-28, ás 20 horas. O show encerra a programação do palco instrumental localizado no Parque Rubern Van Der Linden, conhecido como Pau Pombo. O projeto RITMOS DE BAMBA criação de Margot Rodrigues com produção de Miguel Teixeira, é a excelência musical de tocar ritmos variados com maestria de solos jazzísticos, com quatro ases instrumentais que passeiam do chorinho ao frevo, do Bolero de Ravel ao clássico russo Czards, de Luiz Gonzaga a Dominguinhos.

O Mestre Dominguinhos tem homenagem especial, pois há cinco anos em 23 de julho, falecia o maior filho de Garanhuns, um orgulho da gente. Eu só quero um xodó e Lamento sertanejo terão arranjos que permitem que o público possa cantar e festejar o eterno Dominguinhos. Momento de boas lembranças para o sanfoneiro Beto Hortis que foi amigo e parceiro de muitos shows com Dominguinhos.

RITMOS DE BAMBA é a alegria do prazer musical de fazer som de extrema qualidade técnica e artística que só bamba para tocar ritmos variados com tanta maestria. Armandinho Macedo, filho de Dodô inventor do trio elétrico, é considerado gênio  musical na guitarra baiana, inventada por ele com uma corda a mais no instrumento e no bandolim. Já tocou com os maiores músicos do planeta, entre eles Stanley Jordan. Com esses dois instrumentos, bandolim e guitarra baiana, que fará passeio musical de sua carreira com o grupo que ele criou nos anos 80 A cor do som, nas músicas Zanzibar e Chame gente.


Repertório - Cardápio musical de bambas de uma hora de show, ases de seus instrumentos fazem o Projeto Ritmos de Bamba com o seguinte repertório: TICO TICO NO FUBÁ (Zequinha de Abreu), SANTA MORENA, NOITES CARIOCAS, DOCE DE COCO   e ASSANHADO de Jacob Bandolim, CZARDAS (clássico russo), BOLERO DE RAVEL, LAMENTO SERTANEJO e EU SO QUERO UM XODO De Dominguinhos, ZANZIBAR e CHAME GENTE de Armandinho, BRASILEIRINHO, ASA BRANCA de Luiz Gonzaga e pout pourri de frevo com o hino VASSOURINHAS e ATRÁS DO TRIO ELÉTRICO de Caetano Veloso.

Currículo de Bamba
Armandinho Macedo – Guitarra baiana e bandolim - Com 55 anos dedicados a música instrumental brasileira, além de cantor e compositor, com apenas 10 anos de idade o baiano iniciou sua carreira nos palcos do trio elétrico mirim, criado pelo músico Osmar seu pai fundador do trio elétrico. Com carreira sólida reconhecida pelo público e crítica nacional e internacionalmente como um dos principais guitarristas e bandolinistas do mundo. Armandinho,  á referencia da  guitarra baiana colocando a quinta corda no pau do instrumento criada pelo seu pai Osmar junto com Dodô, ganhando fama e admiração. Em carreira solo, Armandinho Macedo gravou 10 CDs, com sua banda de 40 anos A Cor do Som fez 12 discos e com o Trio Elétrico com Dodô e Osmar gravou 17 discos. Armandinho também já dividiu o palco com artistas internacionais, como a lenda do baixo americano Stanley Clarke, o guitarrista Stanley Jordan e muitos outros.

Beto Hortis(PE) – músico do Acordeon  – Na estrada há 26 anos, amigo e parceiro de show de Dominguinhos, o trabalho mais recente de diretor musical e arranjador no espetáculo Margareth Menezes em Mestres do Mundo e 70 com 7 homenagem aos 70 anos da música Asa Branca, ambos em 2017. Acompanha vários artistas Jorge de Altinho, Alcymar Monteiro, Elba Ramalho, Fafá de Belém, Geraldo Azevedo e Spok Frevo Orquestra. Tem quatro CDs gravados Bota lenha da fogueira (2006) , Ao vivo na Sala de Reboco (2008), Frevo sanfonado -  Volume 1 (2011) e Beto Hortis (2014).

Jerimum de Olinda – Compositor e Percussionista há 24 anos, desde criança escutava música com o pai e era costume ser colocado para dormir ouvindo Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro. Tem como referência de trabalho e também fã, o saudoso Naná Vasconcelos. Por possuir uma técnica apurada nas gravações de discos em estúdio, ele passou a gravar nos discos dos principais artistas de Pernambuco e de grandes nomes da música regional e nacional, tais como Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Xangai, Amelinha, Geraldo Maia, Zoca Madureira, Maciel Melo, Josildo Sá e Paulo Moura, Marina Elali, Domiguinhos, Sergio Ferraz, Cesar Michiles, CD do Bale Popular do Recife, Flávio Jose, e também do seu ídolo, Naná Vasconcelos, dentre muitos outros. Tem três CDs gravados Entre Amigos, Esse é o tom e o mais recente CD lançado em 2017 é de meditação,  intitulado Manhã de Domingo.

Mongol - Músico pernambucano há mais de trinta anos. Tocou com artistas locais e nacionais. Participou dos discos Asas da América do saudoso produtor e compositor Carlos Fernando. Gravou os DVDs dos cantores Dominguinhos e Maciel Melo. Recentemente, participou da turnê “Viva Pernambuco”, com o cantor André Rio, que passou pelos Estados Unidos e países da Europa. Atualmente toca com Beto Ortiz e Maciel Melo.

Serviço
Projeto RITMOS DE BAMBA com Armandinho Macedo e Beto Hortis
Onde/Quando/Hora: No Palco Instrumental localizado no Parque Rubern Van Der Linden, conhecido como Pau Pombo, neste sábado (28), às 20h, no 28º FIG – FESTIVAL DE INVERNO DE GARANHUNS.

ASCOM/FIG

Nenhum comentário:

Postar um comentário