segunda-feira, 21 de maio de 2018

Figurinista da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, Victor Moreira ganha documentário


Dirigido por Albert Tenório, o documentário Victor Vai Ao Cinema, que versa sobre a obra de Victor Moreira, figurinista da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, será exibido no Cine Jardim - Festival de Cinema de Belo Jardim, no município de Belo Jardim, no Agreste pernambucano, nestas quarta (23) e quinta-feira (24), no Cine Teatro Cultura. Com produção do coletivo independente Alastrado Produções, o curta metragem integra a Mostra Revoada
Mal havia estreado no mercado de moda, Victor foi convidado pelo amigo Luiz Mendonça para ver a encenação, na quadra de um colégio público, nos anos 1950. Era uma montagem quase mambembe, de tão precária. Mas marcaria para sempre a carreira de Victor. Sem pensar duas vezes, o figurinista embarcou como podia naquele projeto. O artista foi pioneiro como diretor de arte (figurinista e cenógrafo) do teatro pernambucano e também o primeiro artista plástico a ingressar na indústria têxtil como design de estamparia em Pernambuco, além de trabalhar na TV e contribuir como correspondente internacional de moda.
No teatro, além da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém que trabalha até hoje concebendo figurinos e cenários, Victor desenhou figurinos para o Teatro Adolescente do Recife, fundado em 1955 no Recife pelos atores e diretores Clênio Wanderley e Luiz Mendonça. A convite de Valdemar de Oliveira, ele participou do Teatro de Amadores de Pernambuco. No documentário, de 11 minutos, de Albert Tenório, o figurinista revela que se descobriu assim ainda criança, influenciado pelo artista plástico Bajado.
Sua primeira inspiração foi aos quatro anos de idade, quando riscou grafite em papel de pão tentando retratar um andor da procissão que costumava passar na rua onde morava com seu avô na Cidade Alta, na Rua do Bomfim, em Olinda. Treinou seus dons na terra molhada do quintal da casa do avô, quando este se mudou para os Aflitos, onde era obrigatório apagar as luzes à noite para atender ao o toque de recolher imposto na II Guerra Mundial. Para dar satisfação ao mundo, cursou Odontologia, mas, paralelamente, praticava seu estilo desenhando roupas para suas amigas de sala.Foi nesse tempo ele descobriu seu gosto pela estética e que sua profissão seria outra.
Na cenografia, Victor Moreira, a pedido de Plínio Pacheco, projetou no papel a visão aérea do Teatro de Nova Jerusalém. Mesmo sem ser arquiteto realizava projetos dignos de um especialista apenas com o dom da sua arte de desenhar. Do alto dos seus 84 anos, Victor Moreira, dedica-se exclusivamente ao figurino da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, cujo acervo conta com cerca de duas mil peças, que vem sendo estudado pela pesquisadora Andrea Cavalcante de Almeida Queiroz.
Túlio Vasconcelos

Nenhum comentário:

Postar um comentário