quinta-feira, 26 de junho de 2014

Portal G1 destaca caos no Hospital Regional de Arcoverde

O Portal de Notícias das Globo, o G1 denunciou nesta terça-feira a situação em que se encontra o Hospital Regional de Arcoverde.

Abaixo a matéria na íntegra:


Profissionais que trabalham no Hospital Regional Ruy de Barros Correia, em Arcoverde, no Sertão de Pernambuco, estão reclamando da falta de estrutura para exercer as atividades no local. Segundo eles, equipamentos de vários setores estariam sem funcionar, faltariam medicamentos e o prédio da unidade de saúde apresenta problemas. A situação estaria prejudicando o atendimento aos pacientes.

O Hospital Regional de Arcoverde recebe pacientes de treze municípios de Pernambuco. De acordo com a administração do hospital, cerca de cinco mil pessoas são atendidas por mês na unidade. Segundo o médico Marcelo Santos, que trabalha no local, estariam faltando até gazes na unidade de saúde. “Falta desde medicação básica até as medicações de drogas vasioativas. O diretor administrativo tenta suprir o estoque com outras unidades, mas muito pouco. Isto está implicando até na alimentação para os funcionários e também para os pacientes”, explica. O médico afirma ainda que a possível solução para os problemas seria terceirizar os atendimentos na unidade. “Se é inviável para o governo municipal manter com o estadual, que façam como é feito em outros locais, colocando um serviço terceirizado. A gente não está contra ou a favor do governo, só queremos que o hospital funcione”, conta.

O Conselho Gestor do Hospital cedeu um vídeo mostrando as condições internas da unidade de saúde. Nas imagens, é possível ver que há infiltrações nas paredes, o material hospitalar está espalhado em armários precários, além de móveis sem conservação e ralos abertos ao lado da cama de pacientes. [Veja no vídeo acima] Segundo Arnaldo Tenório, presidente do Conselho Gestor, os equipamentos do bloco cirúrgico também não estariam funcionando. “O hospital tem três blocos cirúrgicos. Dos três, apenas um está funcionando pela metade, não estamos fazendo cirurgia, porque falta gaze, seringa e medicamentos. A gente não pode operar o paciente e não ter como fazer o tratamento”, detalha.

O diretor administrativo e financeiro do hospital, Joaquim Santos, explicou que a falta de medicamentos seria causada pelo atraso de fornecedores. “Nós procuramos e eles avisam que estão enviando os produtos. Para não ter o estoque zerado, já chegamos a estar com o estoque crítico, outras unidades de saúde, como Serra Talhada, Salgueiro e Limoeiro, estão nos dando um suporte”, explica. O diretor informou ainda que os pacientes estão sendo atendidos normalmente. “Funciona o bloco cirúrgico, a UTI [Unidade de Terapia Intensiva], pediatria e obstetrícia. Eu acho que é diferente falar que a estrutura do hospital está ruim, quando não está. Se tem um exame que a gente não faz aqui, disponibilizamos uma ambulância para levar os pacientes para fazer o exame em Garanhuns ou outra cidade”, finaliza.

Para conferir mais detalhes da matéria CLIQUE AQUI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário