terça-feira, 11 de março de 2014

Governo de Pernambuco lança as cinco publicações vencedoras do 1º Prêmio Pernambuco de Literatura nesta quinta-feira


O Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Cultura e Fundarpe, em parceria com a Companhia Editora de Pernambuco – CEPE, lança as cinco publicações vencedoras do 1º Prêmio Pernambuco de Literatura – cujo edital foi lançados em novembro de 2012 e os vencedores divulgados em maio de 2013. A iniciativa contemplou todas as macrorregiões do Estado, revelando escritores e fortalecendo a produção literária pernambucana. O lançamento acontece no dia 13/03, a partir das 19h, no Museu do Estado de Pernambuco. 

“O prêmio, além de representar uma vitrine para escritores estreantes, tem um objetivo mais estratégico de formação de leitores e incentivo à produção literária. Essas publicações revelam ainda o cuidado com que a CEPE tem desenvolvido seu trabalho”, afirma Marcelo Canuto, secretário de cultura de Pernambuco. 

Recife, no hay, de Delmo Montenegro – Região Metropolitana; O livro de Corintha, de Fernando Monteiro – Região Metropolitana; O metal de que somos feitos, de Walther Moreira dos Santos – Zona da Mata; Discursos e Anatomias, de Joseilson Ferreira – Agreste; Olho Morto Amarelo, de Bruno Liberal – Sertão. Esses são os títulos vencedores por região e, este último, tendo sido escolhido como o melhor livro inédito de Pernambuco também. 

Para Wellington de Melo, coordenador de Literatura da Secult-PE/Fundarpe, esses livros são uma mostra do melhor da produção literária contemporânea do Estado. “As obras confirmam nossa vocação para as letras e demonstram que, em todas as regiões, há um potencial a ser incentivado com ações voltadas para a cadeia criativa”, afirma. 

Sinopses dos livros vencedores 

Olho morto amarelo, de Bruno Liberal, é um livro que explora em sua linguagem e temática aspectos universais como morte, perda e velhice, além de envolver questões contemporâneas como a perda de privacidade, a midiatização da vida privada. Mostrando um grande domínio das técnicas narrativas, como o discurso indireto livre, transformou-se na grande revelação do prêmio. 

Recife, no hay, de Delmo Montenegro, traça uma contundente crítica ao pensamento de pernambucanidade ou de sentimento de pertença supostamente atribuído aos recifenses (daí o título, algo como, Recife, não existe). Por outro lado, a linguagem adotada pelo autor em sua obra, com traços neocontretos e experimentais, foge das tendências da poesia popular, tão cara ao nordestino, muito mais alinhada a uma vanguarda de ruptura da sintaxe e do verso. 

O livro de Corintha, do escritor Fernando Monteiro, autor, entre outros, de Aspades, Ets, Etc. Trabalha com a metalinguagem, uma vez que narra a história de um escritor cego que dita seu livro a uma secretária, que por sua vez também lhe conta a história de outros livros que leu. Com esse jogo de linguagem e de interposição de narrativas, o romance é um experimento curioso de ficção na borda da ficção. 

O vencedor da Zona da Mata, Walther Moreira dos Santos, que já foi finalista no Prêmio São Paulo de Literatura (2009), trouxe um livro de contos, O metal de que somos feitos, que explora o realismo fantástico, sem descuidar de uma narrativa firme, mantendo uma unidade entre os contos, que inclui dois longos contos que se transformam quase em uma novela de formação. Os contos, em geral, têm claras referências cortazianas e claricianas, sem que o autor deixe de imprimir uma dicção própria. 

O vencedor do Agreste é Joseilson Ferreira, autor do livro de poemas Discursos e anatomias. Livro em que se percebe claramente a presença de uma dicção cabralina, embora o autor não se imponha o rigor de João Cabral na estrutura do livro, que inclui um auto que faz referência a uma lenda da sua cidade natal, Passira. 


Segunda edição do Prêmio
A segunda edição do Prêmio Pernambuco de Literatura encontra-se com inscrições abertas até o dia 16 de abril, nos mesmos moldes da primeira. Podem concorrer livros dos gêneros poema, conto e romance e serão premiadas as melhores obras de cada região (RMR, Agreste, Zona da Mata e Sertão), além do melhor livro inédito de Pernambuco. Serão dados até 5 prêmios no valor de R$  5 mil para cada um dos vencedores em cada macrorregião e 1 prêmio especial de R$ 15 mil para um dos cinco finalistas ganhador do grande prêmio, além da publicação dos títulos vencedores pela CEPE. 

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas na Coordenadoria de Literatura da Secult-PE/Fundarpe, que fica na Rua da União, 263 (1º andar), bairro da Boa Vista, das 8h às 17h. Mais informações aqui

Serviço:
Lançamento dos livros vencedores do I Prêmio Pernambuco de Literatura
Data: Quinta-feira, 13/03
Horário: 19h
Local: Museu do Estado de Pernambuco
(Av. Rui Barbosa, 960, Graças – Recife)

Informações: FUNDARPE

Nenhum comentário:

Postar um comentário