quinta-feira, 28 de março de 2013

Coluna do Empreendedor! ACONTECENCIAS


Se você realmente sonha em empreender, a sua idade não importa. O que importa é ser extremamente apaixonado por solucionar problemas e melhorar a vida das pessoas, e estar disposto a trabalhar arduamente para fazer as coisas acontecerem”.

Bel Pesce (Autora do Livro a Menina do Vale)

O EI e o empreendedorismo
O Brasil é um dos países com a maior Taxa de Empreendedores em Estágio Inicial (TEA), segundo pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM). Dados referentes ao assunto demonstram que o empreendedorismo está consolidado no país e crescendo. A vocação empreendedora dos brasileiros é evidente, portanto deve e pode ser estimulada.
Uma importante ferramenta de estimulo foi a aprovação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, em 2007, e da Lei do Microempreendedor Individual, em 2008 e a sua posterior regulamentação por estados e municípios, todavia, é necessário fazer acontecer (implementar) essa legislação, como fez recentemente a Prefeita Madalena Brito com a criação de uma comissão intersecretarias de compras públicas (um importante passo) muitos outros serão necessários.
Em Arcoverde, hoje existem mais de 1.000 Empreendedores Individuais – EI registrados e potencial para crescer esses números em no mínimo mais 60%, considerando o alto índice de informalidade de alguns segmentos.  Portanto mãos à obra.

Foco sem disciplina 

A seca que assola o Nordeste brasileiro, a mais cruel dos 30 ou 50 anos segundo estudiosos, é uma clara demonstração de foco sem disciplina, basta observarmos com atenção as ações adotadas e anunciadas sempre com alguma pompa pelo governo do Estado e com alguma raridade pelo Governo Federal. O problema é que produtores rurais estão cada vez mais pobres, gado morre a cada dia, mais localidades enfrentam racionamento ou sofrem com falta d’ água, cisternas, toneladas e mais toneladas de cana e de milho não chegam a quem de direito (apesar dos constantes e repetidos anúncios).
Vou me reportar à História para demonstrar a importância de FOCO e DISCIPLINA  na resolução de catástrofes.

Em 1755, a cidade de Lisboa foi assolada pelo maior terremoto registrado até aquela época. Nunca se viu, até então, uma catástrofe tão terrível. Dezenas de milhares de vidas foram ceifadas, e a cidade foi quase totalmente destruída. O que o terremoto não conseguiu destruir, o Tsunami, que aconteceu logo a seguir, cumpriu esse papel. Em poucas horas, a cidade, de aproximadamente trezentos mil habitantes, quase havia desaparecido. Vale a pena registrar que foi depois desse incidente que nasceu a sismologia. Foi um dos sismos mais mortíferos da História, marcando o que alguns historiadores chamam a pré-história da Europa Moderna. Os geólogos modernos estimam que o sismo de 1755 atingiu a magnitude 9 na escala  Richter.

Conta a história que o então Marquês de Pombal, quando questionado sobre o que fazer, disse as célebres palavras: "Enterram-se os mortos e cuidam-se dos vivos". Os portugueses, acostumados a chorar por seus mortos, precisavam agir rápido, para que o restante da população não morresse vítima de enfermidades causadas pelo apodrecimento dos corpos. Assim, começou uma maratona para enterrar os milhares de corpos e ao mesmo tempo dar atendimento médico aos milhares de feridos. A cidade agiu rápido e com grande determinação. O que o Marquês, na verdade, disse às pessoas era que elas precisavam de foco. Numa catástrofe, as pessoas tendem a ficar desorientadas e não sabem a quem recorrer. É preciso que haja alguém com lucidez, tranqüilidade e visão de futuro para conduzi-las. 

Na história contemporânea, vimos algo semelhante no fatídico 11 de setembro. O Tsunami no Japão, o acidente na usina nuclear de Fukushima, os governos souberam dar o foco.
Podemos afirmar que o foco aliado à disciplina foram os grandes responsáveis pelo sucesso da recuperação, tanto da cidade de Lisboa, como de Nova York e no  Japão.
Foco sem disciplina é comparado a um grande polvo usando patins. Enfim, a história está cheia de lições poderosas para os mais atentos.

Precisamos tanto de foco como de disciplina. Na falta de um deles, perde-se a oportunidade de avançar e resolver uma série de coisas. O problema é que, na grande maioria das vezes, nós temos apenas um desses elementos e achamos que é o suficiente para avançar. Muitos têm foco e sabem para onde ir. São capazes até mesmo de imaginar o futuro de modo nítido, escrevendo seus objetivos e metas. Mas, pela falta de disciplina, nunca conseguem chegar lá. Ficam prisioneiros de várias ações que são verdadeiras perdas de tempo. Alguém definiu disciplina como a arte de seguir em frente, sem se desviar ou perder a motivação. 

Concluindo, percebemos que hoje padecemos da falta dessa liderança que dê FOCO a toda essa catástrofe, que busque soluções, alternativas e não paliativos. Enquanto isso as obras da transposição do São Francisco se arrastam, outras obras estruturadoras se arrastam.....

 Aildo Biserra

Nenhum comentário:

Postar um comentário