quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Eduardo diz que "Brasil ganha 2013 se acelerar investimento público"

“O Brasil precisa fazer uma grande aposta no investimento, tanto público quanto privado. É este o caminho para que possamos ter em 2013 um ano melhor do que este que estamos atravessando, marcado pelo baixo crescimento do PIB”. A afirmação foi feita pelo governador Eduardo Campos nesta segunda-feira (03/12) ao participar, em São Paulo, do seminário Novos Ventos da Política Brasileira, promovido pelo jornal Valor Econômico.

"É preciso que as forças políticas brasileiras (independentemente de filiação partidária), o empresariado e os governantes de todas as esferas se engajem em um debate sobre o que é preciso fazer para ajudar a presidenta Dilma a ganhar o ano de 2013. A meu ver, o caminho é o do fortalecimento da capacidade de investimento de estados e municípios", disse Eduardo Campos.

O governador pernambucano foi o terceiro expositor no seminário, que teve ainda falas do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, e o prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad. Cerca de 70 presidentes e diretores de grandes empresas formavam a plateia.

"Este evento ocorre em momento interessante, fim de um ano e inicio de outro que vai ser estratégico para o país", observou Eduardo Campos. Ele disse ainda que o país viveu, no passado recente, três grandes ciclos: o da redemocratização política, o da estabilidade econômica "e aquele, comandado pelo presidente Lula, em que promoveu o grande enfrentamento da desigualdade social".

"Agora, é a hora de aproveitar a grande crise para fazer o Brasil repetir o que aconteceu na crise de 1929, quando saímos mais fortes do que entramos", observou Eduardo Campos.

O governador acrescentou que a crise não é brasileira, mas global. E que não é somente econômica, mas também ambiental e de valores. "Vivemos o tempo de falar de uma nova pauta. Compreender que mudar o padrão de crescimento da economia brasileira é um objetivo que pode ser alcançado com o esforço e a cooperação de todos", disse.

Lembrou, por outro lado, que o fundamental é pactuar uma nova relação entre os entes da federação permitindo que estados e municípios também possam executar seus programas de investimento.

"Uma geração de prefeitos estará assumindo daqui a menos de um mês. Qual o papel de um prefeito do Amazonas ou de Pernambuco na retomada do crescimento? É ter meios para executar o programa que apresentou aos seus eleitores. Mas, para isso, é preciso que tenha os recursos que, muitas vezes, são insuficientes até para pagar a folha", disse o governador.

Para ele, um exemplo de iniciativa capaz de ajudar neste momento é utilizar, para a transferência de recursos da União para os municípios, a metodologia utilizada no repasse de recursos para gastos sociais. "Se é possível repassar de fundo para fundo verbas para educação e assistência social, por que não podemos fazer o mesmo para obras publicas a serem executadas por estado um município?" indagou.

Informações: ASCOM


Nenhum comentário:

Postar um comentário