sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Exposição: " Mães do Césio" que retrata o maior acidente nuclear ocorrido no Brasil chega ao Recife


“Mãos de Césio” é uma Exposição Fotográfica sobre o maior acidente nuclear ocorrido no Brasil, o acidente radiológico de Goiânia, conhecido como o acidente com o Césio 137.

Um prédio do Instituto Goiano de Radioterapia destruído e abandonado com um aparelho de radioterapia desativado dentro foi a causa deste “Chernobyl do Brasil”, que foi classificado como nível 5 na Escala Internacional de Acidentes Nucleares. Um aparelho construído nos anos 1950 para tratar câncer virou uma bomba radioativa, quando dois catadores de ferro velho, sem conhecimento do perigo, tiraram este aparelho com quase 20 gramas da substância radioativa, o Césio 137. Assim começou uma reação em cadeia que afetou e destruiu a vida de centenas de pessoas. 

A parte afetada do corpo mais visível foram as mãos, porque com elas foram feitos os primeiros contatos com este elemento altamente radioativo.
A Exposição sera mostrada no saguão de entrada do IFPE - Instituto Federal de Pernambuco (Cidade Universitária-Recife), durante o Workshop de Segurança do Trabalho que ocorrerá de 24 a 25 de novembro, uma homenagem aos centenas de trabalhadores civis e militares que ajudaram as primeiras vítimas e “limparam” este Chernobyl do Brasil em um ato heróico. Estes trabalhadores, enfermeiras, médicos, bombeiros, policiais militares, pedreiros e motoristas, em muitos casos também perderam a sua saúde e suas vidas por causa da radioatividade do Césio, chamado de o brilho da morte.

Informações: Professor Robson IFPE

Um comentário:

  1. Exposição Fotográfica “Mãos de Césio”: Uma exposição fotográfica de Norbert G. Suchanek e do Arquivo Amarelo sobre o maior acidente nuclear ocorrido no Brasil, o acidente radiológico de Goiânia, conhecido como o acidente com o Césio 137. Um prédio do Instituto Goiano de Radioterapia destruído e abandonado com um aparelho de radioterapia desativado dentro foi a causa deste “Chernobyl do Brasil”, que foi classificado como nível 5 na Escala Internacional de Acidentes Nucleares. Um aparelho construído nos anos 1950 para tratar câncer virou uma bomba radioativa, quando dois catadores de ferro velho, sem conhecimento do perigo, tiraram este aparelho com quase 20 gramas da substância radioativa, o Césio 137. Assim começou uma reação em cadeia que afetou e destruiu a vida de centenas de pessoas. A parte afetada do corpo mais visível foram as mãos, porque com elas foram feitos os primeiros contatos com este elemento altamente radioativo.

    Mãos de Césio: com fotos do Acervo da Associação das Vítimas do Césio 137 de Goiânia (AVCésio), do Programa Memória Roberto Pires e do Centro de Pesquisa e Documentação do Jornal do Brasil (CPDoc JB).

    Até agora dezenas de vítimas do Cesio-137 ainda não ganharam ajuda e indenização suficientes. Depois do Rio de Janeiro, a exposição foi exibida em Salvador e na Caravana Anti-Nuclear do Nordeste. No momento a exposição está apenas disponível em portugues, mas já recebeu convites internacionais e em breve estará rodando o mundo.

    O Uranium Film Festival e o Arquivo Amerelo convidam cidadãos e empresas conscientes para apoiar esta iniciativa.

    www.uraniumfilmfestival.org

    ResponderExcluir