domingo, 30 de outubro de 2011

O livro que me tirou do purgatório do liberarismo foi um livro de Paulo Freire

Foto: Amannda Oliveira


O jornalista e videomaker canadense Jesse Freeston, que fez uma das palestras mais comentadas no encontro de blogueiros começou a sua fala destacando que: "Paulo Freire me tirou do purgatório do liberalismo através do livro Pedagogia do Oprimido".
E completou: "Minha palavra preferida em português é conscientização e que não tem tradução na língua inglesa. Alguns tradutores tentam explicá-la, mas sem sucesso".
Um vídeo apresentado pelo canadense mostra os absurdos ocorridos em Honduras e trouxe dados alarmantes como o fato de que 15 jornalistas foram assassinados em Honduras nos últimos dois anos.

Freeston que não é blogueiro é infiltrado como disse , resolveu participar do por que no hemisfério sul encontrou ecos para o seu pensamento sobre democracia e participação popular.
"Sou 'infiltrado', não sou blogueiro, faço vídeos, esta é a minha primeira viagem à América do Sul e estou muito feliz, porque os brasileiros têm sido importante para a minha ideologia pessoal. Vim de Montreal e lá temos também uma ocupação. Essa palavra também não tem tradução na língua inglesa, mas aprendemos com o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra). O mundo hoje tem muitas ocupações. Nós, do norte, aprendemos o processo de democracia e participação com o exemplo de Porto Alegre (referindo-se ao Fórum Social Mundial) e agora estamos praticando na realidade, em assembleias. É um processo parecido com o efeito do inverno, que mata a terra e depois vem o ar fresco. Agora são milhares de pessoas que abrem os olhos e recebem o ar fresco."
O ativista fez uma analogia com o movimento Ocuppy iniciado nas redes sociais. “Ocupação não é feita por meio de Ipad, Ipods ou notebooks, as transformações não são feitas na internet, mas sim nas ruas”.As pessoas estão parecendo ‘homos-cibernéticos’, vivendo como espécies de zumbis digitais e com isso estão deixando de socializar.
Amannda Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário