sábado, 20 de agosto de 2011

Ministério da Saúde lança plano para reduzir taxa de mortalidade prematura por doenças crônicas

O Ministério da Saúde lançou esta semana, o Plano de Ações para Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis. O plano prevê um conjunto de medidas que visa reduzir em 2% ano ano a taxa de mortalidade prematura por enfermidades como o câncer, diabetes e doenças cardiovasculares como infarto e Acidente Vascular Cerebral - AVC e foi construído pelo governo e a sociedade civil. No Brasil, a taxa de mortalidade prematura até os 70 anos por doenças prematuras é de 255 a cada grupo de 100 mil habitantes. Com a medida, o ministério espera reduzir esta taxa de 196 a 100 mil habitantes em 2022. 

O Plano, que reúne ações para os próximos dez anos, é a resposta brasileira a uma preocupação mundial: estima-se que 63% das mortes no mundo, em 2008, tenham ocorrido por DCNT; um terço delas em pessoas com menos de 60 anos de idade. As DCNT também têm impacto na economia. As doenças crônicas não transmissíveis provocam impacto anual de 1% no PIB do Brasil e de 2% no PIB da América Latina, segundo estimativa da Opas. Isso porque as doenças levam à redução da produtividade no trabalho, afetando a renda das famílias. 

Em 2009, as DCNT concentraram 72% do total de óbitos, segundo dados do Sistema de Informação de Mortalidade e percentual que representa mais de 742 mil mortes por ano.
As que mais matam são as doenças cardiovasculares (31,3%), o câncer (16,2%), as doenças respiratórias crônicas (5,8%) e o diabetes mellitus (5,2%).  

Confiram o gráfico:

 CAUSA
ÓBITOS (N)
%
Doenças crônicas não transmissíveis
742.779
72,4
- Cardiovasculares
319.066
31,3
- Neoplasias
168.562
16,2
- Doenças respiratórias
59.721
5,8
- Diabetes mellitus
51.828
5,2
- Outras doenças crônicas
143.602
14,1


Amannda Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário