Foto: Ricardo Stuckert

Em cerimônia de relançamento do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) em Recife (PE), nesta quarta-feira (22/3), o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, destacou a importância do PAA para a melhoria da qualidade de vida do povo brasileiro e dos trabalhadores do campo e reiterou o compromisso de combater a fome e assegurar que todos possam comer ao menos três vezes ao dia.

“Se Deus me fez chegar até aqui, eu não vou desistir antes de cumprir a profecia de que esse povo tem que comer três vezes ao dia”, afirmou. Lula pontuou que os anúncios feitos em Pernambuco foram “ato de afronta” aos que ainda pensam que o povo pobre, trabalhador e desalentado não tem perspectiva de vida.

“Vim aqui dizer ao Brasil, através dos ouvidos abertos do povo de Pernambuco: nós voltamos a governar esse país para mudar a história”, disse o presidente, ao lembrar das dificuldades que viveu na infância. “Quem nunca passou fome não sabe quanta falta faz comer. Quem nunca comeu pão até os sete anos de idade – como eu – não sabe que falta faz um pedaço de pão”.

Para Lula, a classe trabalhadora não quer apenas comer três vezes ao dia. Quer se vestir bem, estudar, ter carro, geladeira, viajar e ter acesso aos bens que ela mesma produz. “Se fomos nós que fizemos, temos o direito de ter. E, por isso, nós temos que brigar. Porque ninguém vai dar de graça para a gente”, argumentou.

Durante a solenidade, os ministros Wellington Dias (Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome) e Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar), além da presidenta do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros, fizeram a entrega simbólica do cartão de pagamento do PAA ao agricultor Daniel Silva, da rede produtiva de avicultores de Caruaru.

Dias afirmou que parceria entre os ministérios e o Banco do Brasil destinará mais de R$ 900 mil ao programa de compra de alimentos da agricultura familiar. A distribuição gratuita de alimentos, sustentada pelo programa, tem o intuito de garantir a segurança alimentar e nutricional à população.

APOIO AOS PEQUENOS – Além de assinar decreto para a retomada do PAA – que volta com reajuste, priorizando mulheres, negros e indígenas – e anunciar outras medidas associadas ao programa, como a recriação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável (Condraf) e a criação de programa para a organização produtiva e econômica de mulheres rurais, o presidente Lula acompanhou a menção, feita por diferentes ministros presentes na cerimônia, às ações orientadas ao fortalecimento da agricultura familiar.

O ministro da Pesca e Aquicultura, André de Paula, anunciou parceria com universidades federais para a compra de pescados das comunidades de pescadores artesanais, que serão destinados à cozinha dos restaurantes universitários. Com a cooperação técnica, as instituições de ensino prestarão assistência aos pescadores, para que eles consigam alcançar novos mercados compradores.

Tereza Campello, diretora socioambiental do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), anunciou a implementação de um programa que vai destinar R$ 1 bilhão para 250 mil agricultores do Nordeste, denominado “Semeando Resiliência Climática em Comunidades Rurais do Nordeste”.

POBRE NO ORÇAMENTO – Tanto representantes do governo quanto beneficiários do programa destacaram a importância do PAA para o fortalecimento da agricultura familiar e para o desafio de combater a fome no Brasil. O ministro Wellington Dias sublinhou que Lula cumpre a promessa de colocar o pobre no orçamento. Paulo Teixeira enfatizou o propósito do presidente de tirar o Brasil, uma vez mais, do Mapa da Fome.

Teixeira lembrou da cobrança que o presidente faz para que os ministros ajam com rapidez para solucionar os problemas da população no país. “Ele tem pressa! Tem uma obsessão que é tirar o Brasil do Mapa da Fome e fazer com que cada brasileiro tenha, no mínimo, três refeições por dia”, disse o ministro. Ele antecipou que novas medidas de estímulo à agricultura familiar serão anunciadas neste ano.

“O PAA é um programa abençoado por Deus”, afirmou a agricultora Maria José da Silva. Ela contou que o programa contribui para amenizar a fome de ao menos três mil crianças da região de Ribeirão (PE), localidade onde vive. “Presidente, quem tem fome, tem pressa! No dia da distribuição dos alimentos, vemos a alegria estampada no rosto”, ressaltou.

Elisângela Maria de Sales, que atua em uma organização não governamental do Recife que atende 300 famílias e cerca de 500 crianças, também atestou que o PAA é fundamental para assegurar quatro refeições por dia às crianças atendidas.

Informações: Planalto