Foto: Divulgação

O que seria um encontro despretensioso regado a música se transformou na inclusão de uma música do pernambucano PC Silva no álbum de Ceumar, na participação dela no disco dele e, agora, em uma miniturnê dos dois com apresentações em Pernambuco e na Paraíba. Além, obviamente, de uma amizade que rende longas conversas, boas risadas e composições. Duas já estão prontas e outras ainda podem ser incluídas no repertório, que será finalizado no Recife, na semana de ensaios antes da estreia.

“A gente se encontrou presencialmente poucas vezes, mas todas foram muito especiais. Mesmo antes de os nossos discos serem lançados, ela me convidou para participar de um show em Olinda. A gente cantou “Todas as vidas do mundo”, que depois entrou nos dois discos”, recorda o artista de Serra Talhada, sobre os primeiros contatos. O desejo de um reencontro nos palcos foi adiado pela pandemia, mas nutrido durante todo esse tempo, até se transformar nesse projeto, que deve ganhar novas datas.

Pontapé inicial da parceria musical, “Todas as vidas do mundo” está garantida. Foi a canção escolhida por Ceumar para o disco “Espiral”, gravado com participação de Cátia de França, Déa Trancoso. “Boomerang” (PC Silva/Juliano Holanda), faixa do primeiro disco solo de PC, “Amor, Saudade e Tempo”, também com voz de Ceumar. E cada um escolheu composições próprias e do outro, como “Meu amorzim e “Ciclone”, do pernambucano, e “Banzo”, “Dindinha” e “Avesso”, da mineira.

Com mais de 20 anos de carreira, Ceumar é cantora, violonista e compositora. Além da miniturnê em parceria com o pernambucano, ela está em circulação com o disco mais recente, “Espiral”, de 2019, quando completou 50 anos. Nascido Paulo César, PC Silva se destaca como um dos principais nomes da nova geração musical do estado. Iniciou a trajetória artística em 2012, integra a Mostra Reverbo e lançou o primeiro álbum solo em 2020, “Amor, saudade e tempo”.

A primeira apresentação será em Garanhuns, dentro da Mostra Leão do Norte, do Sesc. De lá, seguem para Caruaru, João Pessoa e, depois, Recife. “Nós dois ainda estamos retomando nossa agenda de shows depois da pandemia. Será como uma conversa de recomeço entre dois artistas, uma mineira e um pernambucano”, explica PC. 

Sobre o palco, além dos duetos, as noites devem ter momentos individuais. E, quem sabe, esse diálogo ainda desague em novas músicas. 

SERVIÇO: 

Garanhuns (18 de maio, às 20h): Teatro Reinaldo de Oliveira (Sesc Garanhuns, Rua Cônego Benigno Lira, s/n, Santo Antônio) Ingressos: R$ 40,00 e R$ 20,00 à venda no local.

Caruaru (19 de maio, às 20h): Teatro Rui Limeira Rosal (Sesc Caruaru, Rua Rui Limeira Rosal, s/n, Petrópolis) Ingressos: R$ 50,00 e R$ 25,00 (meia), à venda no Sympla 

João Pessoa (20 de maio, às 20h): Teatro Santa Roza (Praça Pedro Américo, s/n, Centro) Ingressos: R$ 50,00 e R$ 25,00 (meia)

Recife (21 de maio, às 20h): Teatro Luiz Mendonça (Avenida Boa Viagem, s/n, Boa Viagem) Ingressos: R$ 50,00 e R$ 25,00 (meia), à venda no Sympla.

Luiza Maia