domingo, 7 de fevereiro de 2021

Segundo dia da mostra “A Vapor” destacou a história e os artistas que ocupam a Estação da Cultura

 Foto: Amannda Oliveira

O segundo dia da mostra de artes “A Vapor – Reinvenção” começou com um passeio pela história da Estação da Cultura, antiga Estação Ferroviária de Arcoverde. A exposição “Memória, Imagem e Ação” traz imagens da época em que os trens cruzavam a cidade em direção ao interior do estado, aos dias atuais após a ocupação que este ano completa 20 anos.

Em seguida, o público pô de conferir o espetáculo “O Espelho da Lua” da Tropa do Balabaco onde os atores recriam o encantador universo Amazônico da Lenda da Vitória Régia e da índia Naiá, apaixonada pelo guerreiro Araúna - A Lua.

 

Foto: Amannda Oliveira

A terceira atração da noite foi a Banda de Pífanos Santa Luzia que possui 82 anos de existência e que está com uma campanha aberta para construir sua sede. O grupo já ultrapassou a 5.ª geração e sempre foi tradição nas festas dos santos na cidade. A noite ainda contou com as Histórias do Balacobaco, Além do Tempo de Maylla Alves e o espetáculo “Iê, meu Candeeiro” do grupo Muzenza que mistura linguagens afro e indígena  brasileira.

“O grupo “Baque Mulher” encerrou com chave de ouro a penúltima noite do“ A Vapor”.

Neste domingo, a programação começou mais cedo. As 10h aconteceu a roda de partilha – Projetos de Reinvenção no Interior com a Rede Interiorana de Produtores, Técnicos e Artistas de Pernambuco- RIPA.

As 17h acontece o lançamento do disco do mestre Assis Calixto “Cavalinho de Barro”. E a programação segue com o espetáculo “Malasombros- Contos do além sertão”, O Manifesto – A Viúva dos Sentidos com Irla Carrie, a Cavalhada do Tamboril e encerrando a mostra a cantora caruaruense Gabi da Pele Preta.

As apresentações acontecem no canal da Estação da Cultura no Youtube no endereço https://www.youtube.com/channel/UCxd-MFTP4mqNWxJKe34_CiA.

Amannda Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário