terça-feira, 17 de novembro de 2020

Madalena Britto, de professora a uma das maiores lideranças políticas da história de Arcoverde

Foto: Amannda Oliveira

Finalmente a campanha eleitoral se findou e com ela muitos aprendizados ficaram. Em Arcoverde, tivemos uma das campanhas mais duras dos últimos tempos sem dúvida. E em meio ao tiroteio das agressões estava a Prefeita Madalena Britto que escolheu indicar como sucessor o empresário Wellington Maciel, conhecido como Wellington da LW, que até então, não queria saber de política, tendo como vice, o delegado Israel Rubis, que era literalmente odiado por alguns aliados que não gostaram da escolha.

Sempre discreta, mais muito firme nas suas decisões, Madalena manteve a chapa e foi criticada, incompreendida e atacada perdendo aliados com a escolha, mas o resultado das urnas, mostrou a força política dessa mulher que escreveu muita história junto ao povo pobre do município desde aquele 1997 estava certa: Wellignton e Israel venceram as eleições e calaram a boca de muitas pessoas.

A trajetória de Madalena 

Nascida em Ibimirim , chegou a Arcoverde com meses de vida.  Filha de Antonio Olímpio dos Santos, funcionário público do DNOCS, e Helena Macedo dos Santos,  casou com Antonio Meneses de Britto (Toinho), com quem teve  três filhos: André, Andréia e Carlos Fernando. 

Aqui se formou em História na Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde – AESA, fez pós-graduação e começou a sua vida profissional em 1980, como professora primária do Estado. 

Em 1997, mesmo sem perceber, ela dava os primeiros passos para ingressar na vida pública; era nomeada Secretária de Assistência Social do município, na gestão Rosa Barros onde ficou até o ano de 2004. 

Ainda em 2004, Madalena se elege vice-prefeita do município na chapa encabeçada pelo prefeito Zeca Cavalcanti, repetindo o feito na reeleição em 2008.

Em 2012, o povo pediu e ela lançou-se candidata a prefeita e elegendo-se ao lado Wellington Araújo como vice, com 72,72% dos votos válidos (14.305 votos). O feito se repetiu em 2016, onde foi reeleita com 21.103 votos, o equivalente a 60,73% dos votos válidos.

No seu mandato ajudou a eleger o então governador do estado, Paulo Câmara, sendo a primeira gestora no Sertão a decidir apoiar o então candidato. Na época, esse apoio foi fundamental para que outros prefeitos do interior fizessem o mesmo. E fez de Arcoverde, cidade fundamental para a eleição dele. 

Me impressiona, no entanto, o fato de que até hoje 17 de novembro de 2020, tendo vivido tantos anos nesta cidade e deixando um legado pelo caminho, ainda não tenha sido agraciada com o título de cidadã arcoverdense.

No dia 31 de dezembro, Madalena se despede da prefeitura de Arcoverde, mais deixa nos autos da história, a importância política do que ajudou a escrever nos últimos anos.

Amannda Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário