terça-feira, 28 de abril de 2020

A canalhice de Murilo Couto, a grandeza de Assisão e o que nos passa desapercebido


" Olha este velho cara, mistura de Reginaldo Rossi com Valderrama, Jesus Cristo com um mendigo, que diabo é isto? Se Luiza Mel vê este velho, ela adota, pensando que é um cachorro que tá na rua (...) gente, você não sabe se ele está bêbado, se está drogado, ou se é isto aí, este zumbi”. Esse foi o comentário foi feito pelo que se diz humorista Murilo Couto, a respeito do cantor, compositor e patrimônio vivo da música nordestina, Assisão. Confesso que até ontem eu não tinha ideia de quem fosse. Não que estivesse perdendo algo, mas que fui obrigada a conhecer devido ao comentário cheio de preconceito postado na sua conta do Instagram.


Não sabia ele que ao fazer tal comentário compraria uma briga com a qual não saberia lidar, com o Nordeste inteiro. O cantor, Assisão, alvo da escrotice desse cidadão, possui 78 anos, destes 58 são dedicadas a música. O cantor que já teve canções gravadas por Luiz Gonzaga, Trio Nordestino, Maciel Melo, Elba Ramalho, Três do Nordeste, e vários grandes nomes do gênero foi defendido de pronto por artistas , fãs e imprensa de todo o Nordeste.

Numa postagem no dia seguinte, o humorista, que faz parte da equipe de Danilo Gentil no SBT, contou que acordou de madrugada com milhares de mensagens de protesto, não apenas de nordestinos, como também de artistas da região solidários a Assisão. Murilo Couto incluiu Assisão numa live comentando lives. Pediu que os seguidores lhe enviassem lives que achassem interessantes. Achou interessante a de Assisão que por sinal arrecadou alimentos para as pessoas carentes.

Encontramos diversos textos, vídeos e comentários dos artistas pernambucanos, mas quero destacar de modo particular, o do cantor e compositor Jorge de Altinho , por que ele enxergou além. Confira na íntegra: 



Verificado

"O “humorista” pediu uma desculpinha debochada, viram? Quero aproveitar esse fato lamentável e propor uma reflexão a todos nós nordestinos: se Assisão estivesse num nível de reconhecimento que ele merece, divulgado e prestigiado pelo público e pela mídia, certamente ele não teria passado por isso. Concordam? Percebem que os chamados “artistas raiz” estão sujeitos a isso?! É claro que nada justifica a forma caluniosa e desrespeitosa adotada por quem quer que seja. Mas vejam que, apesar de triste, essa é uma oportunidade para refletirmos sobre o reconhecimento que damos a nossa classe artística. Em que posição estamos colocando os nossos representantes? Posição de “destaque” ou de “desprezo”? Sem desmerecer o talento de ninguém, as grandes “estrelas” da música atualmente nos representam em quê? Todo artista tem o seu valor, independentemente do lugar onde tenha nascido, mas reconhecer o de fora em primeiro lugar, significa o quê? Quando a gente precisar defender a nossa nordestinidade, onde é que a gente vai procurar os argumentos? Na cultura e nos valores de longe? Por quantos constrangimentos e humilhações ainda vamos passar até que a gente aprenda que a nossa maior riqueza cultural é o que nos torna únicos no mundo? Nosso lugar, nossos hábitos, nossas festas, nossa fala, nossas comidas, nosso jeito... quando a gente não dá valor na hora certa, acaba pagando um preço bem alto depois. Ou não? ...

...
Passamos o dia, eu e minha mulher, refletindo sobre isso... porque, nas palavras dela, o que aconteceu hoje é só um reflexo do que ocorre todos os dias, todos os anos, toda temporada de São João... quando a gente trava uma batalha gigante pra trabalhar com dignidade."


Que o acontecido nos sirva de reflexão não quando um imbecil atacar um de nós nordestinos, mas que fiquemos atentos ao que acontece o tempo todo e nem sempre é criticado ou percebido.

A propósito, Assisão vai processá-lo .

Amannda Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário