sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Em lançamento de prêmio nacional das artes, secretário Roberto Alvim cita propaganda nazista


A Secretaria Especial da Cultura lançou, na quinta-feira (16), o Prêmio Nacional das Artes, deverá destinar R$ 20 milhões para fomentar a produção artística nas cinco regiões brasileiras. 

A fala do secretário especial da Cultura, Roberto Alvim, ao apresentar o Prêmio no entanto chamou a atenção do país e do mundo. Segundo ele, o prêmio tem como objetivo promover o renascimento das artes e da cultura no Brasil. “O Prêmio Nacional das Artes irá gerar milhares de empregos, assim como uma ampla capacitação profissional, formação de público, configurando um panorama das maiores realizações artísticas oriundas das cinco regiões do Brasil. Trata-se de um marco histórico para as artes brasileiras, de relevância imensurável, e sua implementação e perpetuação ao longo dos próximos anos irá redefinir a qualidade da produção cultural em nosso país”, afirmou Alvim.

A fala do secretário reproduziu a fala do ministro de propaganda da Alemanha nazista, Joseph Goebbels. Além disso, o anúncio traz como fundo musical a ópera "Lohengrin", de Richard Wagner, compositor alemão celebrado pelo nazismo. A semelhança entre o discurso de Alvim e do ministro nazista foi identificada primeiro pelo portal "Jornalistas Livres".

Artistas, políticos e entidades nacionais e internacionais se pronunciaram imediatamente contra a fala do secretário destacando o período sombrio que a época de Hitler trouxe ao mundo.

O Presidente da Câmara , Rodrigo Maia foi um dos primeiros a se pronunciar.

"O secretário da Cultura passou de todos os limites. É inaceitável. O governo brasileiro deveria afastá-lo urgente do cargo".

Embaixada da Alemanha no Brasil

"O período do nacional-socialismo é o capítulo mais sombrio da história alemã, trouxe sofrimento infinito à humanidade. A Alemanha mantém a sua responsabilidade. Opomo-nos a qualquer tentativa de banalizar ou mesmo glorificar a era do nacional-socialismo."

Confederação Israelita do Brasil

"Emular a visão do ministro da Propaganda nazista de Hitler, Joseph Goebbels, é um sinal assustador da sua visão [de Alvim] de cultura, que deve ser combatida e contida. (...) Uma pessoa com esse pensamento não pode comandar a cultura do nosso país e deve ser afastada do cargo imediatamente."

Museu do Holocausto

"Este inadmissível plágio textual e estético, além de repulsivo, cruza a linha do que é moralmente aceitável e configura apologia ao Nazismo."

o secretário foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro que convidou a atriz Regina Duarte para assumir a pasta.

Informações: Minc, Globo .com e Jornalistas Livres

Nenhum comentário:

Postar um comentário