quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Secretaria de Saúde do estado atenta para casos das arboviroses no Sertão


A Secretaria Estadual de Saúde (SES) está empenhada no combate ao mosquito Aedes aegypti e, consequentemente, na tentativa de evitar o adoecimento das doenças transmitidas pelo inseto. Neste início de ano, a equipe técnica do Programa Estadual de Controle das Arboviroses já esteve no município de Salgueiro, onde foi notado um aumento das notificações em relação ao ano passado. Uma busca ativa foi realizada nos serviços de saúde do município para averiguar os casos. Além disso, já foi feita, em alguns bairros da cidade, pulverização em UBV leve, que é a aplicação de inseticida em dosagens baixas para eliminar o inseto vetor, trabalho realizado a partir da análise dos dados e que segue rigoroso critério técnico.
  
Analisando os dados da VII Gerência Regional de Saúde (Geres), que engloba sete municípios e tem Salgueiro como sede, os casos suspeitos de dengue tiveram um aumento de 1.871% (foram 7 em 2018 e 138 em 2019) e de 366% de chikungunya (3 em 2018 e 14 em 2019). Também foram notificados 2 casos de zika (1 em 2018). Até o momento, apenas ocorrências de chikungunya tiveram a confirmação, no município de Salgueiro. O levantamento é relativo ao período até 02.02.19, comparando com a mesma época do ano passado.

“O trabalho da vigilância epidemiológica é averiguar a ocorrência de casos nas últimas semanas epidemiológicas e, notando uma mudança no padrão, agir de imediato, mesmo sem a confirmação dos casos. Nós dialogamos com os municípios para saber as ações em curso, damos orientações técnicas e, de acordo com a necessidade, fazemos o uso do popularmente conhecido como carro fumacê. Com uma ação em tempo e efetiva, podemos evitar um possível surto ou epidemia”, afirma a gerente do Programa de Controle das Arboviroses da SES, Claudenice Pontes. Além do município de Salgueiro, o Estado também está fazendo, nesta semana, a pulverização em UBV leve e pesada em Custódia, também no Sertão (VI Geres – Arcoverde).

A gerente também lembra a importância da população procurar os serviços de saúde em casos suspeitos, para que haja a notificação do caso e a devida assistência ao paciente. Além disso, convoca o público para auxiliar nas ações de prevenção e controle, essenciais para evitar o nascimento do Aedes aegypti. “Precisamos ficar vigilantes nas nossas casas para não deixar recipientes com água sem tampa, os pratos dos vasos de plantas com água. Uma tampa de refrigerante já é suficiente para que o mosquito deposite seus ovos, por isso precisamos ficar atentos”, alerta Claudenice.

X GERES – Além da VII Geres, também chama a atenção o aumento das notificações de dengue na X Geres, com sede em Afogados da Ingazeira. Em 2018, foram 8 casos suspeitos, enquanto em 2019 já são 26, ou seja, um aumento de 225%. Ainda não há notificações para chikungunya e zika. O levantamento é relativo ao período até 02.02.19, comparando com a mesma época do ano passado. “É importante este alerta para que os profissionais fiquem atentos aos possíveis casos, para tratá-los e também notificar. Só por meio das notificações podemos fazer a análise técnica para atuar quando necessário”, frisa Claudenice Pontes.

MOSQUITO – Em relação a análise da presença de larvas nos imóveis (Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti – LIRAa), na VII Geres, Cedro está em risco de surto, ou seja, com alta probabilidade de adoecimento da população. Já na X Geres, Afogados da Ingazeira, Brejinho, Carnaíba e Tabira também estão em risco de surto.

DADOS – Até o dia 2.02, foram notificados 855 casos de dengue no Estado, uma redução de 39,1% em relação ao mesmo período de 2018. De chikungunya foram 129 notificações (- 56,7%) e 45 de zika (- 25%).

AÇÃO – O Plano de Enfrentamento às Arboviroses 2019 foi lançado em janeiro. Ao todo, cerca de R$ 8 milhões serão investidos pelo Governo de Pernambuco nas ações contra o Aedes aegypti. No ano passado, foram despedido R$ 3,7 milhões no combate às arboviroses.

Entre as novidades, a distribuição de 300 mil gibis da Turma da Mônica para as escolas da rede estadual. O material, produzido pela editora Maurício de Souza com o apoio da SES, traz, de forma lúdica e de fácil compreensão para crianças e jovens, informações sobre como identificar sintomas das arboviroses e, principalmente, como evitar o nascimento e a proliferação do inseto.

Outra novidade para 2019 é o início do uso de aplicativo e-Visit@, desenvolvido no Mato Grosso do Sul, para qualificar o trabalho dos agentes de controle de endemias no combate às arboviroses. Até o momento, mais de 850 agentes de endemias e técnicos de Vigilância de 51 municípios da Região Metropolitana do Recife (RMR), Agreste e Sertão já foram capacitados e estão utilizando de forma experimental a ferramenta. A expectativa é que, até dezembro, todos os 184 municípios do Estado, mais Fernando de Noronha, sejam instruídos e insiram a tecnologia na sua rotina de trabalho.

Após qualificados, os agentes serão equipados com telefones celulares que já estarão com aplicativos instalados, permitindo, assim, substituir os relatórios impressos das visitas domiciliares realizadas pelos agentes, além de mapear os locais com focos do mosquito e receber informações sobre casos das doenças. Mais de 4 mil smartphones estão sendo adquiridos pelo Governo do Estado, por meio da SES, para distribuir entre os municípios. Ao todo, mais de R$ 1,6 milhão estão sendo investido na compra dos celulares e contratualização dos pacotes de dados móveis.

Ainda dentro do plano, mais de R$ 3 milhões serão investidos para adquirir insumos para os municípios, Gerências Regionais de Saúde (Geres) e nível central da SES. Entre os materiais que serão distribuídos estão as capas de vedação para recipientes de armazenamento de água, bombas costais motorizadas, macacões impermeáveis, máscaras e seus respectivos filtros, óculos e luvas de proteção, entre outros. Ao todo, mais de 150 mil itens serão adquiridos. A formação dos profissionais também é um dos eixos de ação.

Informações: ASCOM

Nenhum comentário:

Postar um comentário