sexta-feira, 24 de julho de 2015

Projeto que reduz a meta do superavit primário deste ano chega ao Congresso

Nova meta é de uma economia de R$ 8,7 bilhões, equivalente a 13% dos R$ 66,3 bilhões estabelecidos na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2015



O governo enviou ao Congresso Nacional nesta quinta-feira (23) o projeto de lei (PLN 5/15) que reduz de 1,1% para 0,15% a meta de superavit primário para 2015. O texto altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2015 (13.080/15) e revisa a meta de economia para pagar os juros da dívida de R$ 66,3 bilhões (1,19% do Produto Interno Bruto) para R$ 8,7 bilhões, o equivalente a 0,15% do PIB. O novo valor equivale a 13% do anterior e inclui tanto a economia do governo federal quanto a de estados, municípios e do Distrito Federal.

No projeto, o governo também anuncia o corte adicional de R$ 8,6 bilhões no Orçamento de 2015, o que deverá totalizar um contingenciamento acumulado de R$ 79,4 bilhões nos gastos entre todos os poderes da República durante o ano.

O projeto determina que a Lei Orçamentária de 2015 deverá ser compatível com uma meta de superavit primário de R$ 5,8 bilhões para os Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social e de zero para o Programa de Dispêndios Globais. Estabelece ainda que as empresas dos grupos Petrobras e Eletrobras não serão consideradas na meta relativa ao Programa de Dispêndios Globais e que a economia dos estados, do Distrito Federal e dos municípios será de R$ 2,9 bilhões.

Em sua mensagem, o governo também diz que essa iniciativa para pagar os juros da dívida considera as seguintes propostas em tramitação no Congresso: a Medida Provisória 685/15, que institui o Programa de Redução de Litígios Tributários, com previsão de receita de R$ 10 bilhões; e o Projeto de Lei do Senado 298/15, que permite a repatriação de dinheiro não declarado mantido no exterior por residentes e domiciliados no Brasil, com receita estimada de R$ 11,4 bilhões.

A meta de superavit primário considera também a receita de concessões e permissões para a área de infraestrutura, estimada em R$ 18,2 bilhões.

O projeto faz a ressalva de que, se essas previsões de receitas de R$ 39,6 bilhões se frustrarem, a meta será reduzida em até R$ 26,4 bilhões.

O projeto enviado pelo governo deverá ser lido no Plenário do Congresso em agosto. Depois, passará por votação na Comissão Mista de Orçamento (CMO) e em sessão do Congresso.

LDO 2016
O governo também anunciou, na quarta-feira (22), redução nas metas fiscais de 2016 (0,7% do PIB) e 2017 (1,3%). Nos dois casos, a meta inicial era de 2%.

Essa alteração terá impacto no projeto da LDO de 2016, que deverá ser votado em agosto na CMO e no Plenário do Congresso. O relator da proposta, deputado Ricardo Teobaldo (PTB-PE), havia mantido em seu parecer, apresentado no último dia 15, a meta de 2% para o próximo ano, mas já tinha previsto um adendo com revisão do valor caso fosse necessário.

Agência da Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário