quarta-feira, 27 de novembro de 2013

12ª edição da Feira do Tapete e Artesanato movimenta economia em Lagoa do Carro


O município de Lagoa do Carro, na Zona da Mata Pernambucana, realiza no período de 29 de novembro a 1.º de dezembro a 12ª edição da Feira do Tapete e Artesanato (Fetalc). O evento é realizado pela Associação de Tapeceiras (Astalc),e deve receber cerca de 60 mil pessoas gerando uma movimentação financeira em torno de R$ 150 mil reais.   Esta é a única feira do gênero na região que consegue  reunir entidades, artesãos individuais, prefeituras e programas sociais.

Com o tema “Raízes Pernambucanas”, a feira deste ano vai contar com 60 estandes e reunir, além das tapeceiras e mestras da região, cerca de 100 artesãos do Agreste, Litoral, Zona da Mata e Sertão pernambucano. Entres os municípios pólos do artesanato representados na feira estão Bezerros, Recife, Olinda, Tracunhaém, Feira Nova, Glória de Goitá, Caruaru, Tacaratu, Caraibeiras, Goiana, Salgadinho e Itamaracá. Os estandes com o artesanato de cada município vão estar no entorno das Praças da Soledade, Manoel Barbosa e na Quadra de Eventos, localizadas no centro de Lagoa do Carro.

Entre os produtos à disposição dos consumidores, o carro-chefe do artesanato da região: tapetes. Os itens em exposição, que variam entre R$ 350 e R$ 500, são dos mais variados, bordados com motivos da azulejaria portuguesa, florais e modernas formas geométricas, com luzes e sombras em pontos e nós. Além dos tapetes, também serão comercializados itens em tapeçaria como passadeiras, almofadas e pesos de porta que variam entre R$ 10 e R$ 150. 

A grande homenageada desta edição será a mestra tapeceira Maria José Bernardo, mais conhecida como Mauzé do Tapete, que tem diploma de tapeçaria desde 1973. Além da homenageada, participam da feira mestras renomadas como Luiza Costa, que por duas vezes foi homenageada na Fenearte; Terezinha Lira, que trouxe a tapeçaria para o município; Marina Felipe, conhecida como mestra Baia, e Creuza Maria de Barros.

Além da comercialização de produtos, a Fetalc também oferece gratuitamente ao público oficinas de artesanato nas seguintes modalidades: tenerife, tricô, tapeçaria,  macramê,  crochê, reciclado com guirlanda e árvore de Natal. As oficinas acontecem durante os dias da feira, sempre às 15h, no Clube Nacional, localizado em frente a Praça Manoel Barbosa. As turmas tem capacidade para 10 alunos em cada dia. As inscrições devem ser feitas antecipadamente através do e-mail: fetalc2013@gmail.com. Caso haja vagas, os interessados também podem fazer a inscrição nos dias do evento, na sala coordenação da feira situada na Praça Manoel Barbosa s/nº, Centro, próximo ao Mercadinho Kumamoto.

 A 12ª edição da Fetalc também conta com o “Espaço de Leitura”, onde haverá recitais e declamações de poesias e contos, além contação de histórias para todas as faixas etárias. A programação dispõe ainda de palestras. Entre os temas: “Micro Crédito”, nos dias 28 e 29/11 às 14h; “SEI Vender” com o SEBRAE/PE no dia 25/11 às 19h. E mais, as palestras “SEI Unir forças para melhorar”, no dia 26/11 às 19h  e “ 7 passos para o sucesso”, no dia 28/11 às 19h.


TRADIÇÃO – A arte da tapeçaria chegou a Lagoa do Carro através da artesã e tapeceira Terezinha Lira, na década de 70, precisamente em 1975.  Segundo dados da Astalc, a tapeçaria movimenta cerca de R$ 50 mil reais ao ano.  Município da Zona da Mata do Estado, situado a 60 Km do Recife,  Lagoa do Carro é reconhecida nacionalmente com títulos como “Terra do tapete” e “Capital da tapeçaria” no Nordeste. A cidade tem na tapeçaria sua maior fonte de renda. Mais de mil artesãs trabalham na tapeçaria, seja a através da Associação, em seus lares ou em fábricas da região.

A produção artesanal, entretanto, sofre com a desvalorização. “Uma dificuldade é a continuidade do saber fazer. Muitas filhas de tapeceiras não querem mais ser tapeceiras porque a comercialização é difícil. É o pior gargalo, dificultando a rotatividade do dinheiro nas mãos das artesãs. Devido isso muitas se sujeitam a fazer por preços mais baixos, para garantir um dinheirinho para comprar alimentos e materiais de necessidades diárias”, explica Risolange Rodrigues presidente da Associação de Tapeceiras de Lagoa do Carro.

Com o tempo e, principalmente, após a fundação da Associação da Associação de Tapeceiras de Lagoa do Carro, que completa 25 anos de existência, as artesãs conquistaram o “empoderamento”, explica Isabel Gonçalves, presidente da Federação Nacional dos Artesãos. “Mas ainda temos artesãs que trabalham para atravessadores pela falta de comercialização”, lamenta. Cerca de 350 artífices da região, do Estado e do Nordeste que estão reunidos na Fetalc contribuem para o desafio de construir em Lagoa do Carro um pólo sustentável de promoção do Artesanato, de Cultura Popular e Turismo Criativo na Mata Norte.

Informações: ASCOM

Nenhum comentário:

Postar um comentário