quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Disque Denúncia oferece recompensa por pista da mulher que sequestrou um bebê em Chã de Alegria

"Carla", Foto: Polícia Civil / Divulgação
O Disque-Denúncia de Pernambuco está oferecendo recompensa a quem tiver informações sobre o paradeiro da mulher suspeita de ter levado um bebê recém-nascido da casa onde morava, em Chã de Alegria, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, no sábado (16). O órgão vai dar até R$ 2 mil para pistas que levem à mulher, identificada apenas como Carla.
A polícia já havia divulgado uma foto e o retrato-falado na terça-feria (19). A denúncia pode ser feita de duas maneiras: através do site do Disque-Denúncia, com envio de fotos e vídeos, ou pelo telefone (81) 3421-9595, para a Região Metropolitana do Recife e Zona da Mata Norte, ou (81) 3719-4545, para o interior de Pernambuco. A polícia garante o sigilo e o anonimato do denunciante.

O delegado que está à frente das investigações, Sérgio Moreira, da Delegacia de Chã de Alegria, informou que está recebendo muitas denúncias sobre o possível paradeiro da mulher e da criança, mas ainda nada concreto. "A delegacia está recebendo muitas denúncias, mas até agora nenhuma que valha a pena. Recebemos a denúncia de um mototaxista que teria levado a suspeita e o bebê, no sábado, de Chã de Alegria até Vitória [de Santo Antão], e deixado as duas em frente a um hospital. Infelizmente não conseguimos avançar no paradeiro delas", afirmou o delegado.

O caso
 
Na manhã do dia 16 de fevereiro, a mulher conhecida como Carla estava dando banho na criança recém-nascida quando foi embora levando-a, junto com uma bolsa de roupas da bebê. A mãe da menina, Elicleide Araújo, que tem problemas mentais, ficou trancada no quintal, na Rua Barbosa Lima. A criança nasceu no Imip, no Recife.
A avó do bebê disse que não via Carla há seis anos e a reencontrou no hospital. Ela havia feito visitas no Imip e dormido na casa da família da sexta para o sábado. "Eu não pensei que ela fosse fazer uma barbaridade dessa comigo não, tanta confiança que eu tinha nela. Pelo amor de Deus, onde ela tiver, se tiver me ouvindo, traga minha neta para os meus braços", suplicou Maria Creuza.

"Eu tinha ido na rua, quando voltei, encontrei minha mulher trancada e disseram que essa mulher tinha saído com a minha filha. Ainda corri, tentei encontrar, fui na delegacia, mas nada ainda", conta o pai da criança, Giovani da Silva. O caso está sendo investigado pela delegacia de Vitória de Santo Antão.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário