José Luiz de Sá Sampaio Filho, o “Sampainho” (PSB), ex-prefeito de Caetés, foi a “primeira vítima” da Advocacia Geral da União e do Tribunal Superior Eleitoral.
Pela parceria celebrada entre as duas instituições, prefeitos cassados que provocaram uma nova eleição em seus municípios deverão arcar com as despesas.
De acordo com o TSE, desde 2004 foram gastos cerca de R$ 6 milhões pela Justiça Eleitoral na realização de 176 eleições suplementares, entre as quais a de Caetés. À época, Sampainho se elegeu prefeito. Mas como sucedera ao pai, “Zé da Luz”, acabou sendo cassado. A Justiça Eleitoral determinou que caberá a ele, que supostamente sabia que estava inelegível, arcar com os custos daquela eleição.
Fonte: Blog do Inaldo Sampaio