Prezados leitores,

Estava pela internet vendo notícias sobre o Baile Municipal do Recife e fiquei por dizer no mínimo decepcionada quando ao acessar o Blog Social da jornalista Roberta Jungmann. E vocês irão perceber o por que, ao lerem o comentário infeliz da jornalista sobre o show de Ivete Sangalo.

Eu vou colocar a página aqui para que vocês leiam e tirem as sua próprias conclusões.
















No referido texto , a jornalista destaca Ivete Sangalo como a grande atração da noite e diz que o povo não quer ouvir músicas antigas (frevo) e sim músicas da hora.

Em uma noite que contou com o Maestro Duda e sua Orquestra de Frevo ao lado de Claudionor Germano, Spok Frevo Orquestra,  Alceu Valença, André Rio, Almir Rouche , Marrom Brasileiro e Elba Ramalho , que são alguns dos maiores nomes da nossa música o grande bum só veio com Ivete, por que o povo PERNAMBUCANO não quer ouvir as músicas pernambucanas. Nada contra Ivete Sangalo, gosto muito do trabalho dela. Mas, a minha grande decepção em relação a esta nota , se dá ao me perguntar: quantos jornalistas pernambucanos estão pensando assim? Quantos dos nossos estão depreciando a nossa cultura , o nosso carnaval? 

Temos assistido de camarote a nossa cultura pernambucana ser mau cuidada , mal divulgada e os nossos artistas deixados de lado e parte disso é culpa nossa. Por que são convidados artistas de fora e nós ainda pagamos pra assistir. Mas o frevo, o caboclinho, a ciranda e o maracatu, se renovam sim. Tenho certeza que se qualquer um de nós for as rádios , encontrará diversos trabalhos encostados num canto por que as mesmas não tocam frevo, não forcenem espaço não dá valor ao que é nosso. Mas existe sim, renovação. Até no Sertão tem frevo , imagina na capital.

Tenho feito coberturas de diversas prévias carnavalescas e em todas elas os foliões ficam loucos quando escutam vassourinhas , Madeira que Cupim não Rói ou o hino do seu bloco lírico, por que acredite prezada jornalista NÓS AMAMOS A NOSSA CULTURA  E O NOSSO ESTADO. No interior tem se lutado pela valorização da nossa cultura, os bailes municipais  foram comandados pelos mesmos artistas pernambucanos que estavam no municipal e todos foram sinônimo de sucesso. Amamos a nossa bandeira mais do que muitos estados e não permitiremos que o governo ou quem quer que seja venha dizer que a música bahiana é melhor pra nós do que o NOSSO FREVO.

Na Bahia, o governo do estado apóia a cultura e divulga o ano inteiro na mídia nacional, usando os cantores como garotos propaganda. Em pernambuco, isso não acontece. Se faz um cadastro dos artistas, mas não se cria espaços para que os mesmos se apresentem, apareçam e tão pouco divulguem o seu trabalho. Não precisamos de depreciação precisamos de paixão e de políticas culturais de vergonha para levantar a nível nacional o nome de Pernambuco.

Respeitosamente, mas contrariada,

Amannda Oliveira