sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Músicos pernambucanos contestam grade da programação do carnaval 2011


Quem vai a Bahia no carnaval quer ver e ouvir axé. Quem vem a Pernambuco quer ver e ouvir o que é de Pernambuco. Quer conhecer os blocos nas ruas, ver o maracatu, as pessoas dançando ao ritmo do frevo, caboclinho, ciranda, coco de roda, maracatus e afoxés. Estes são os ritmos que deveriam embalar no mínimo 90% do carnaval pernambucano, mas que foram deixados de lado em boa parte da programação dos pólos patrocinados pela Empresa Pernambucana de Turismo - EMPETUR.

De canto a canto do nosso Estado o que se vê na programação repetidas vezes são samba, brega, swingueira e axé. Algumas atrações se apresentarão em mais de cinco cidades pelas cidades do nosso Estado. Por outro lado, grandes nomes do nosso carnaval ficaram de fora, o que fez com que o Fórum Permanente da Música de Pernambuco formado por nove entidades se reunisse nesta quinta-feira (24), na Torre Malakof, no bairro do Recife, com músicos e compositores para a realização de um ato simbólico.

Eles questionam o pouco espaço dado a artistas pernambucanos na programação do Carnaval 2011 nos pólos de animação do Governo do Estado. Entre os artistas que presenciaram a reunião, estavam Irah Caldeira, Mazo Melo, André Macambira, Maestro Ademir Araújo , Luciano Brainner e Claudionor Germano.


O Fórum entregou na manhã de hoje ao governador uma carta solicitando esclarecimentos sobre os critérios utilizados na composição da programação e a mesma, será entregue a Assembléia Legislativa em uma manifestação que será realizada às 15:00 no Pátio do Livramento.

Confira a carta na íntegra:

Governador do Estado de Pernambuco,
Nós, músicos, compositores, produtores musicais, arranjadores, auto-produtores, produtores culturais, pesquisadores pernambucanos, representantes de entidades civis e artísticas, entidades, associações, sindicatos e coletivos com atividades voltadas para área musical, reunidos na Torre Malakoff, no dia 24 de fevereiro de 2011, das 09 às 12h.
Considerando a importância da atual historia da música pernambucana como extensão representativa da sociedade civil, organizada, para construção e implementação de políticas públicas voltadas para o segmento musical como meio de intensificar possibilidades inerentes a tais profissionais;
Considerando a necessidade de continuarmos avançando nos aspectos atinentes a toda cadeia produtiva da música, sobretudo na busca da auto-sustentabilidade da produção musical local, com atenção a seguinte síntese indicativa:
- Valorização e valoração do Profissional, apoiando suas entidades representativas e coletivos.
- Eventos democratizadores (igualdade de possibilidade de trabalho, entre todos).
- Fundamentar ações para Geração de Renda entre músicos, como meio de fomentar nova consciência artística.
Considerando os compromissos assumidos pelo Governador durante o período de campanha eleitoral, dos quais, dentre outras conquistas, temos o instrumento de Edital Público tem sido a regra;
Solicitamos esclarecimentos sobre:
1) Descumprimento do Edital de Convocação publicado pela FUNDARPE/Secretaria de Cultura para contratação de artistas para o Carnaval/2011;
2) Como se deu a formatação da grade programação do Carnaval/2011 divulgada recentemente pela EMPETUR, cujo conteúdo encontra-se em desacordo inclusive dos principio norteadores da política cultural construida nos últimos anos.
Representantes de entidades civis, artísticas e produtores do segmento musical reunidos na Torre Malakoff, no dia 24 de fevereiro de 2011, avaliaram o processo de seleção da grade de programação do Carnaval de Pernambuco. Entendem que esta grade divulgada representa um retrocesso à política cultural construída nos últimos anos pela sociedade civil e poder público. Solicitamos a V. Ex. esclarecimentos sobre o processo de seleção que inclusive desrespeitou o edital de convocação dos grupos musicais publicados pela FUNDARPE".


Recife, 24 de fevereiro de 2011.

Paula de Renor – APACEPE
Tereza Accioly -SOFOPS (Sociedade dos Forrozeiros)
Luciano Brayner – COMISSÃO SETORIAL DA ESCUTA DA MÚSICA DE PERNAMBUCO
Gabi Apolonio – MOVIMENTO DO SAMBA DE PERNAMBUCO
Marcia Xavier – UBC (União Brasileira de Compositores)
Alex Mono – FÓRUM PERMANENTE DA MÚSICA DE PERNAMBUCO
Ivonaldo Von – Ass. Das Orquestras de Frevo do Estsado de PE (FREVO PE)
Betinho – Movimento Popular (Grupo COMPASP)”

A programação apresentada pela EMPETUR representa um retrocesso para o nosso carnaval  que vem buscando do litoral ao sertão o resgate ao que existe de mais tradicional no nosso Estado.
No interior, os bailes municipais foram resgatados, os blocos de rua voltaram a sair e os grandes cantores e compositores foram em sua maioria as atrações principais. Ai sai a programação oficial e nos deparamos com uma programação pobre , sem vida e com pouquíssimos artistas do Estado.

Vamos lutar pela cultura pernambucana.

Amannda Oliveira

4 comentários:

  1. Sou do Recife e fiquei impressionado com a pobreza do carnaval divulgado pelo governo do Estado. Temos tantos corais de blocos belos, grandes compositores e cantores e no entanto, nos deparamos com um bando de porcarias. Isso é um absurdo. Ricardo/Boa Viagem

    ResponderExcluir
  2. Oi Amanda, sou de Bezerros e a porcaria que virá tocar aqui ninguém merece. Moramos na terra dos papangus e não vem praticamente nada pernambucano pra cá. Queríamos Claudionor Germano,Marrom, Os corais e nada. Deveria haver um protesto estadual não só dos músicos. Arcanjo

    ResponderExcluir
  3. Pois é Amandinha, dedicamos nosso trabalho e nosso talento a divulgar nossa cultura, que certamente é muito mais valorizada lá fora, onde já me apresentei cantando maracatú, frevo, caboclinho, sendo respeitado e admirado, mas na minha terra onde aprendí essa cultura, isso não é valorizado pelos nossos gorvenante, é lastimável,falo isso como artista pernambucano mas também como cidadão que quer ver sua cultura sendo elevada ao mais alto patamar, como é de direito.
    Faz 12 anos que conseguimos tirar do nosso calendário o Recifolia, e agora estão querendo trazer de volta, isso é um retrocesso pra nossa cultura.

    Mazo Melo

    ResponderExcluir
  4. É verdade Ricardo, Arcanjo e Mazo. temos que lutar contra o retrocesso e batalhar pela nossa cultura. este blog é um espaço aberto para isso e a nossa bandeira tem que ser valorizada

    ResponderExcluir