quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Blog Falando Francamente entrevista o secretário de Serviços Públicos, Israel Rubis.

 


Dando continuação às entrevistas com os secretários do governo Wellington Maciel, o Blog Falando Francamente entrevista o vice-prefeito do município de Arcoverde e Secretário de Serviços Públicos e Meio Ambiente, Israel Rubis.

FALANDO FRANCAMENTE - Qual a avaliação que você faz dos primeiros dias de gestão na secretaria serviços públicos e meio ambiente?

ISRAEL - Estamos tentando otimizar as demandas dos cidadãos, prestando um atendimento sério e ao mesmo tempo a nossa avaliação é de que precisamos passar por um grande processo de conscientização com relação ao descarte de resíduos sólidos e líquidos. Temos realizado limpeza nas ruas e nos bairros e poucas horas depois, o local fica sujo.

Vamos iniciar uma campanha de conscientização. Já falei com o prefeito e sugeri um mutirão entre as secretarias de assistência social, saúde, agricultura e meio ambiente para que pudéssemos difundir a ideia da educação ambiental e do correto descarte do lixo pra coleta. Esse descarte, principalmente de metralhas é extremamente nociva ao meio ambiente e compromete a saúde das pessoas e a estética da cidade.

Vamos intensificar a implantação de gaiolas de lixo em vários lugares com grande de demanda de lixo e que isso afeta o solo. Contratamos dois engenheiros e uma equipe técnica capacitada para que os serviços na gestão do Prefeito Wellignton Maciel possam cada vez mais ser otimizados e mais reconhecidos pela população. Queremos ter uma resposta imediata à população.

FALANDO FRANCAMENTE – A prefeitura pretende colocar pontos de coleta seletiva nos bairros?

ISRAEL - Sim. Mais queremos ir, além disso. Vamos buscar ampliar a parceria com as associações de coletores e reciclagem. Precisamos buscar no mercado empresas que trabalhem com isso por que o que acontece: nós temos um aterro sanitário que está recebendo uma quantidade imensa de resíduos sólidos e aí quanto mais recebe essa quantidade mais ele tem vida curta. O aterro foi projetado para receber os resíduos de Arcoverde, mais ele recebe também de outras cidades e o nosso objetivo é buscar direcionar a reciclagem desse lixo.

Para você ter ideia, na primeira semana da gestão, nós recolhemos mais de meia tonelada de lixo na cidade. Isso é um número assustador. Acreditamos que em um mês venhamos a tirar mais de duas toneladas de lixo tendo em sua maioria metralha. Já tive em contato com uma empresa de Caruaru que trabalha com a desintegração do lixo e a produção de energia e aos poucos. Vamos em breve obter mais detalhes a respeito do projeto e trazer para o prefeito conhecer. Quem sabe daqui a uns anos Arcoverde tenha uma usina que transforme o lixo em energia elétrica.

FALANDO FRANCAMENTE - Falando dos canais da nossa cidade. Nós temos áreas da cidade perpassadas por canais e que em época de chuva viram um rio, invadindo casas e gerando medo a população. Fora o mau cheiro, insetos. Todo um contexto que em algumas cidades começa a ser mudado. Existe algum projeto da gestão voltado à reurbanização dos canais em Arcoverde?

ISRAEL - Nós temos Amannda o Riacho do Mel que hoje é o principal canal de drenagem de esgoto e águas de chuva. O que acontece. A cidade cresceu absurdamente e ai a má ocupação do solo traz prejuízos. Hoje várias casas que são construídas em bairros como Alto Cardeal, Sucupira, os resíduos acabam sendo lançados no canal e ele acaba sofrendo uma descarga  muito a cima daquela para a qual foi projetado. Uma das principais coisas que pretendemos fazer é uma dragagem para retirar os resíduos sólidos para facilitar a questão da água. Estamos avaliando a situação do canal por que ao que tudo indica a parte do piso do canal está muito comprometida, de modo que agora não podemos realizar esse trabalho por que a água suja pode infiltrar o solo. Vamos realizar um estudo, até por que queremos aumentar a profundidade dele. Estamos aguardando uma máquina que pode fazer o trabalho de aprofundamento. Com relação à urbanização do canal. Existem áreas que possuem muitas árvores em seu entorno como a Avenida Capitão Lino Feitosa e é possível sim se pensar em projetos de transformar essas áreas para serem mais aproveitadas pela população. Através de emendas parlamentares isso seria possível sim. Espaços de interação social são muito importantes e vamos buscar isso sim.

Daqui a alguns dias vamos começar a colocar pequenas pontes em trechos dos canais para que as pessoas possam atravessar com segurança.

Vamos preparar ações para reduzir os estragos da chuva na cidade para evitar os alagamentos. Um dos pontos será ali na área do Estádio Áureo Bradley que recebe um impacto grande de água, no Sucupira, próximo ao Hospital Regional. A Avenida Antônio Japiassú passará por uma intervenção, e outras áreas na periferia da cidade para que a nossa população sofra cada vez menos com as chuvas.

FALANDO FRANCAMENTE - Em 2010, o governo Lula publicava a chamada Lei do Lixo que determinava entre outras coisas que quem produzisse metralhas deveria ser responsável pela sua destinação. Em Arcoverde, isso nunca aconteceu. Você anunciou nas redes sociais que isso vai mudar. Como isso vai acontecer? Vai haver algum telefone para onde as pessoas possam ligar?

ISRAEL - Essa questão sempre foi um grande problema aqui em Arcoverde. Por que? Por que pra você ter uma ideia, 70% da demanda de resíduos sólidos que temos são de metralha. Então as máquinas que nós poderíamos estar utilizando para fazer algumas intervenções na cidade, como terraplanagem, saneamento, estradas na zona rural, a gente não pode fazer por que está focado na cidade recolhendo metralhas. Essa ideia surgiu ainda com o prefeito Wellington durante a campanha. O prefeito tem o interesse e eu concordo que a gestão possa licitar e contratar uma empresa que vai ficar responsável pela coleta dessa metralha. Então o cidadão que for fazer uma obra vai tirar o Alvará na Dirt e pagar uma taxa para que a empresa vá lá e possa recolher esse material. E a empresa vai ser comunicada para ir lá recolher esse material.

E as pessoas que não podem pagar?

ISRAEL - A gente vai utilizar o Cadastro Único para verificar essa situação. Elas poderão ser isentas dessa taxa. Mais na maioria das vezes, quem produz essa metralha pode pagar.

Vamos buscar uma empresa para recolher também o lixo eletrônico. Mais o cidadão precisa entender que a cidade também é responsabilidade dele, que a cidade deve ser cuidada por todos.  Não é por que pagamos IPTU que a gente pode sair sujando a cidade.

FALANDO FRANCAMENTE - A prefeitura assinou na gestão passada um contrato com a Compesa onde ela deixaria a cidade 100% saneada. Esse trabalho já começou?

ISRAEL - Isso é decorrente do novo marco regulatório do saneamento básico que permite que a iniciativa privada forneça esse serviço ao município. Vai haver uma licitação para que esse trabalho tenha início. Estamos aguardando uma lei que regularize isso a nível estadual para a contratação da empresa. Existem algumas particularidades que precisam ser definidas para que esse trabalho seja realizado.

FALANDO FRANCAMENTE - O nosso blog esteve visitando alguns bairros da cidade e conversando com os moradores e perguntando o que eles gostariam de pedir a gestão para o seu bairro. E de modo muito abrangente o que escutamos foi que eles queriam as ruas calçadas e espaço de laser para as crianças. Em 2020 se teve um número significativo de ruas calçadas e asfalto. O que vocês podem dizer a esses moradores.

ISRAEL - Nós precisaremos fazer um trabalho do ponto de vista fundiário em alguns bairros mais afastados. Por que temos muitas moradias irregulares. Vamos fazer um cadastro dessas famílias e regularizar essa situação para podermos agir como se deve. Ai vamos trabalhar a urbanização do ambiente com terraplanagem , saneamento básico e o calçamento. O saneamento básico é uma necessidade urgente nas áreas de periferia e vamos fazer os projetos de pavimentação para ir em busca de recursos.

FALANDO FRANCAMENTE - Arcoverde precisa cada vez mais do verde. Temos visto muitas árvores sendo derrubadas na cidade. A gente sente falta de áreas mais verdes. Existe algum projeto pensado em áreas verdes? Inclusive, percebemos que as nossas serras perderam muito a vegetação e quando chove a areia desce com muita força junto à água e invade as casas .

ISRAEL - Na área da serra, houve um desgaste da vegetação e quando a chuva cai não encontra amparo, que é a vegetação. Quando a cobertura vegetal é retirada e o solo não dá conta e causa as enxurradas. O que podemos fazer é o município fazer um cinturão de pedras e ferro para filtrar as impurezas ou buscar fazer com que os donos das obras o façam. Assim como, plantar nas encostas e ampliar o número de áreas verdes na cidade, agora tudo pensado de forma técnica. Às vezes a pessoa planta uma árvore na calçada que não é adequada e ela acaba a calçada, quebra encanação. A nossa ideia é incentivar o plantio de árvores na calçada mais as que sejam nativas ao nosso ambiente. O prefeito sugeriu que fizéssemos um viveiro de mudas na secretaria e vamos fortalecer esse segmento do meio ambiente de arborização na cidade.

FALANDO FRANCAMENTE - Que mensagem você quer deixar para se despedir da nossa entrevista?

ISRAEL - Nos próximos dias teremos uma ouvidoria no site da prefeitura onde o cidadão poderá registrar sua solicitação, colocando o nome da rua, fotos seja galeria, iluminação, calçamento que nós vamos acionar as nossas equipes para resolver os problemas. E a ideia é retornar ao cidadão agradecendo ao cidadão por nos ajudar a manter a cidade limpa. Eu quero agradecer a confiança e a autonomia dado pelo prefeito Wellington Maciel para que a gente pudesse implantar algumas mudanças na secretaria pra que a gente possa avançar.

Amannda Oliveira 

Nenhum comentário:

Postar um comentário