Os seis novos Patrimônios Vivos de Pernambuco


O Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural (CEPPC) elegeu, na última quinta-feira (15), os seis mais novos Patrimônios Vivos de Pernambuco. O CEPPC destacou a valorosa contribuição de todos os 68 candidatos que participaram do concurso à cultura pernambucana e, em votação única, atribuiu o título ao Clube Carnavalesco Mixto Seu Malaquias (agremiação carnavalesca), a José Rufino da Costa Neto (Dedé Monteiro – poeta popular), ao Mestre João Elias Espíndola (rendeiro), à Sociedade Musical 15 de Novembro (banda musical), ao cantor e compositor Claudionor Germano (frevo) e ao Mestre José Lopes (mamulengueiro).
Márcia Souto, presidente do CEPPC e da Fundarpe, ressaltou que mais uma vez “o Governo de Estado de Pernambuco valoriza e reconhece os mestres da cultura pernambucana” e que, diante de candidatos tão estimados à nossa cultura, o trabalho dos conselheiros foi árduo. “Ao longo de quatro sessões, todos os 68 candidatos tiveram a oportunidade de apresentar suas atividades aos conselheiros, que, além de conhecerem pessoalmente os mestres e mestras pernambucanas, puderam compartilhar de seus saberes”, disse. A presidente destacou também o esforço da Fundarpe/Secult-PE em garantir espaço para os Patrimônios Vivos nas suas ações, bem como difundir, preservar e fazer circular seus conhecimentos. “O nosso projeto Outras Palavras, que é uma iniciativa que integra ações de cultura, arte e cidadania nas escolas do Estado, sempre conta com a presença de um Patrimônio Vivo. A recepção desses mestres e mestras entre os alunos é extremamente calorosa, fato que nos faz inclui-los cada vez mais nas nossas atividades”, disse.


Os seis novos Patrimônios Vivos são fruto do 11º Concurso de Registro do Patrimônio Vivo, que elegeu os candidatos de 2015/2016. O Secretário Estadual de Cultura, Marcelino Granja, parabenizou o empenho dos conselheiros na escolha dos candidatos e destacou que “os Patrimônios Vivos representam a mais rica expressão do povo pernambucano” e que a premiação ”reforça a galeria de mestres e mestras que marcam a nossa identidade cultural com a diversidade, tradição e criatividade artística”. O gestor estadual também ressaltou que, graças à reformulação da lei atual, “todo ano serão eleitos seis novos Patrimônios Vivos, o que confirma o êxito dessa ação da política de cultura do Governo do Estado”. A titulação dos novos Patrimônios Vivos acontecerá até o final de dezembro, numa solenidade no Palácio do Campo das Princesas.
BREVE PERFIS  DOS SEIS NOVOS PATRIMÔNIOS VIVOS
BANDA 15 DE NOVEMBRO Centenária banda militar criada em Gravatá, foi composta paralelamente à história local, marcando presença nos mais diversos eventos sócio-político-culturais da comunidade.;
MESTRE JOÃO ESPÍNDOLA Responsável por rendas renascença preciosas da cidade de Poção, no Agreste de Pernambuco.;
Ricardo Moura/Secult-PE/Fundarpe
JOSÉ RUFINO DA COSTA NETO (DEDÉ MONTEIRO) Nascido em Tabira, em 1949, começou a escrever versos aos 15 anos de idade, influenciado pelo pai (que cantava cordéis, enquanto trabalhava na roça), pelos vencedores de folheto de feira e pelo violeiros nordestinos. Atualmente, é professor aposentado e é, conforme diz, motorista de Teté (sua esposa), servente de pedreiro para o poeta Gonga (seu irmão) e serve de ‘macaco’ para seus netos Paulo Henrique e Maria Paula.;
Jaqueline Maia/Secult-PE/Fundarpe

CLUBE CARNAVALESCO MIXTO SEU MALAQUIAS Boneco mais sorridente não há. As feições de imensa felicidade se devem ao fundador do Clube Carnavalesco Misto Seu Malaquias, o Maracujá. A agremiação foi criada só para desfilar nas ruas o boneco criado à imagem de um amigo próximo de Maracujá. Hoje, o boneco é o mais antigo da Festa de Momo pernambucana e já soma 76 Carnavais.;
CLAUDIONOR GERMANO Em 68 anos de carreira, gravou 478 músicas em 31 discos, sendo um dos principais intérpretes de frevo do Estado, principalmente de compositores como Nelson Ferreira de Capiba.;
ZÉ LOPES Militante do mamulengo há mais de 40 anos, mestre Zé Lopes fundou, em Glória do Goitá, o Mamulengo Teatro do Riso, com quem realizou várias excursões pelo Brasil e Europa, sendo um dos mamulengueiros mais conhecidos do país.
HISTÓRICOImportante política cultural de salvaguarda, a lei dos Patrimônios Vivos é a primeira lei do tipo no Brasil, tem como objetivo reconhecer, valorizar e apoiar mestres e grupos que detenham os conhecimentos ou as técnicas necessárias para a produção e a preservação de aspectos da cultura tradicional ou popular – formas de expressão, saberes, ofícios e modos de fazer -, em especial, os que sejam capazes de transmitir seus conhecimentos, técnicas e habilidades às novas gerações de alunos e aprendizes, objetivando a proteção e a difusão do patrimônio pernambucano.
Os seis novos Patrimônios Vivos eleitos nesta quinta-feira (15) se somam aos 39  nomes já contemplados em Pernambuco. Sua missão é ainda possibilitar e potencializar o reconhecimento, acesso, difusão e fruição dos diversos bens, memórias, saberes e histórias presentes nas culturas populares. Para tanto, além de receberem bolsas vitalícias, os mestres e grupos contemplados participam de diversos programas de ensino-aprendizagem, como oficinas, palestras, cursos e concursos, com o propósito de transmitirem seus saberes, processos fundamentais para a produção, manutenção e recriação de nossas manifestações culturais.
Fundarpe

Nenhum comentário

Amannda Oliveira. Tecnologia do Blogger.